Tive uma Ideia

Esta médica portuguesa trocou os corredores do hospital pela sua própria app

729

Daniela Seixas começou a "brincar" no computador do pai. Hoje lidera a Tonic App. O caminho não foi "propositado”, mas esta médica abandonou a Neurorradiologia para ajudar colegas que não lêem emails.

Daniela Seixas e os cofundadores da Tonic App começaram o projeto durante o MBA que fizeram na IE Business School, em Madrid

Diz que é “uma empreendedora tardia”, porque perto dos 40 anos resolveu trocar uma carreira na medicina e no ensino para um projeto tecnológico próprio. “O percurso não foi muito propositado”, admite Daniela Seixas ao Observador. Mas não pôde fugir a um mundo que sempre a fascinou: o da tecnologia. Em 2015, com três colegas do MBA que estava a fazer em Madrid, começou a desenvolver a Tonic App, uma aplicação móvel para ajudar os colegas que não leem emails, agilizando assim processos entre hospitais, seguradoras e a indústria farmacêutica.

Começou cedo no computador do pai, que trabalhava em artes gráficas, quando ia “brincar” para o escritório dele. “O meu primeiro computador portátil pesava 15 quilos. Era do tamanho de uma máquina de costura”, recorda Daniela. Podia ter deixado a tecnologia para segundo plano quando optou pela medicina, mas escolheu especializar-se em Neurorradiologia (uma área já bastante tecnológica). Fez um doutoramento em Neurociências, numa parceria com a Universidade de Oxford, e tornou-se professora auxiliar na Faculdade de Medicina, da Universidade do Porto.

Estava tudo muito encaminhado, até que chegou a crise e eu fiquei sem perceber muito bem o que se estava a passar na Europa e em Portugal”, conta.

À procura de um novo “desafio”, Daniela seguiu para Madrid em janeiro de 2015, para entrar no MBA da IE Business School – programa de um ano e meio que, nos último seis meses, era dedicado à saúde. Acabou-o decidida a”apostar num projeto que era uma necessidade profissional”: melhorar a comunicação entre médicos, mas também entre instituições ligadas à saúde. Uma questão “um pouco irónica” porque, nota, há cada vez mais meios ao dispor.

Um hospital comunica com os seus profissionais sobretudo através de email. Mas os médicos são conhecidos por não abrirem os emails, não porque não estejam interessados, mas porque têm muitas outras coisas para fazer”, explica.

A história da empresa começou quando se juntou a Dávid Bórsos (a viver no Luxemburgo), Christophe de Kalbermatten (filho de segunda geração de emigrantes na Suíça) e Andrew Barnes (a viver em Vancouver, Canadá), para fazer o tal projeto para o MBA. O trabalho foi bem recebido, teve uma boa nota, até que, em abril de 2016, ganhou um nome: Tonic App.

A versão Android da aplicação está no mercado há duas semanas, desenvolvida por uma equipa dividida entre a Europa e a América do Norte, obrigada a reunir ao domingo à noite para “poder conciliar os diferentes horários”. Acabaram por escolher Portugal (a cidade do Porto) para acolher a sede da empresa.

Ponderámos bem se deveríamos constituir a empresa aqui ou noutro país, mas a verdade é que Portugal é excelente para testar projetos tecnológicos, por exemplo, pela qualidade dos seus engenheiros. A rede de contactos na saúde também é mais forte aqui. Pelas formalidades de constituir uma empresa, sobretudo com sócios estrangeiros, e em matéria de impostos, seria realmente mais fácil optar por outra localização”, explica Daniela Seixas.

“Todo o tempo conta em células cerebrais para o doente”

A Tonic App é uma aplicação móvel que quer melhorar a comunicação entre médicos, instituições hospitalares (cada vez maiores e mais complexas), associações profissionais e a indústria farmacêutica e de dispositivos médicos, através de uma aplicação “segura e fácil”, acessível no telemóvel.

Para a fundadora, os médicos trabalham com uma “complexidade de sistemas” diariamente. “Num consultório, entre o médico e o doente, está um computador que normalmente tem dez ou mais sistemas abertos”, o que faz com que tenha de “estar a preencher ficheiros enquanto fala com o paciente”, admite.

Para já, a startup está a desenvolver um piloto com o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho na área do AVC agudo para redução do tempo entre o início dos sintomas do doente e o tratamento. Daniela Seixas entende ser “um exemplo concreto em que a aplicação vai ter um impacto direto na qualidade do serviço prestado ao doente”.

No caso do AVC agudo, uma trombose cerebral, existem tratamentos muito eficazes, mas que só em determinadas unidades de saúde, o que faz com que os doentes tenham de ser transferidos. Todo o tempo [gasto no processo de transferência] vai contar em células cerebrais para o doente. Às vezes, só em comunicações perde-se meia hora. Os médicos precisam de saber quem está de escala – não há escalas centralizadas -, têm de falar para a telefonista e, muitas vezes, ficam em espera como qualquer outra pessoa. Depois, as pessoas com quem têm de falar podem estar ocupadas e têm, mais uma vez, de esperar. Hoje, isto já não devia acontecer, mas acontece”, explica a médica.

A empresa tem também uma parceria com a Organização Não Governamental portuguesa Mundo a Sorrir, que opera na área da Medicina Dentária, com vista à “articulação clínica mais eficiente dos voluntários”.

Mas os problemas de comunicação não se esgotam entre médicos. Existem problemas de comunicação com outros operadores na área da saúde, como hospitais, seguradoras ou farmacêuticas, admite Daniela Seixas.

Os grupos [de hospitais privados] estão a ficar tão grandes que o médico não sabe que recursos tem ao seu dispor. Este tipo de aplicação vem também agilizar toda esta comunicação que não é propriamente clínica mas que é necessária para a boa prática profissional”, explica.

A versão Android da aplicação está no mercado há duas semanas, por isso ainda não foi revelado o número de utilizadores. A versão para iOS deve chegar em junho. O download da aplicação é gratuito para os médicos e funcionará através de subscrições com hospitais e outras instituições de saúde.

A empresa arrancou com um investimento de 50 mil euros dos fundadores e, no início de março, foi anunciado um investimento de 100 mil euros da Portugal Ventures.

Para o último trimestre do ano, a Tonic App quer entrar no mercado europeu. “Há dificuldades regulatórias porque apesar de haver legislação comum, cada país decide o que faz. Mas nos próximos meses ouvirão falar da Tonic App em Espanha, Inglaterra ou Alemanha”, remata Daniela Seixas.

*Tive uma ideia! é uma rubrica do Observador destinada a novos negócios com ADN português.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site