Logo Observador
Educação

Ex-ministra e comissária do Plano de Leitura criticam metas curriculares

A ex-ministra da Educação Isabel Alçada e a comissária do Plano Nacional de Leitura, Teresa Calçada, manifestaram-se contra as metas curriculares criadas por Nuno Crato, considerando-as um retrocesso.

O encontro dos docentes de português, que começou na segunda-feira, encerra esta terça-feira com a presença do secretário de Estado da Educação, João Costa

MARIO CRUZ/LUSA

A ex-ministra da Educação Isabel Alçada e a comissária do Plano Nacional de Leitura, Teresa Calçada, manifestaram-se esta terça-feira contra as metas curriculares criadas pelo ex-governante Nuno Crato, considerando-as um retrocesso, que condiciona o trabalho do professor. “Quem deve escolher o que se lê com as crianças são as pessoas que as conhecem. Não tem de haver uma lista de livros como acontece agora”, disse à agência Lusa a autora, que falará esta terça-feira sobre a importância da literatura infantojuvenil no 12.º Encontro Nacional da Associação de Professores de Português (APP), que encerra esta terça-feira em Lisboa.

Os professores e os pais, defendeu, devem ter o papel primordial na relação que as crianças vão ter com os livros: “Gerar empatia entre o leitor e o texto induz o desejo de repetir aquela experiência”.

Isabel Alçada frisou a diferença entre as metas – que “levam o professor a sentir-se obrigado a seguir conteúdos de meia de dúzia de obras” que podem constar em provas universais – e o Plano Nacional de Leitura (PNL), que criou. “O PNL são extensas listas indicativas de livros, adequados para cada etapa, que os professores são convidados a escolher”, disse, acrescentando: “O cânone aplicado à escola é uma coisa profundamente errada”.

Sublinhando que não basta a aprendizagem, mas sim um exercício continuado da leitura, Alçada afirmou que o envolvimento com os livros passa por levar as crianças a livrarias e outros locais onde possam ter o prazer de escolher um livro para ler. “Se a experiência não é desejada não vai funcionar”.

Na mesma sessão, estará a comissária do Plano Nacional de Leitura, Teresa Calçada, para quem as metas curriculares nesta área “condicionam tanto” que se vira “o feitiço contra o feiticeiro”.

Os professores, admitiu, tendem a colar-se às diretivas, “desprezando a leitura por gosto”. O importante, sustentou a ex-coordenadora da Rede de Bibliotecas Escolares, é “tornar o contacto com a palavra um hábito e uma presença constante”.

A ideia que gostava de transmitir às escolas é a do valor da leitura na infância, ou “o livro como companheiro desde criança”.

Teresa Calçada sustentou que a comunicação social tem também uma responsabilidade, devendo criar páginas que as crianças possam ler e esperar, com entusiasmo, pela publicação de mais uma história. “Como ninguém nasce ensinado, é preciso ensinar esse hábito, como ensinamos as boas maneiras, a viver ao ar livre, a comer menos doces”, sugeriu.

Perceber os temas e as histórias preferidas das crianças é importante, já que hoje em dia o mercado de edição apresenta muitas e apelativas possibilidades, com variados formatos e ilustrações. “A literatura juvenil tem hoje uma representação fantástica, mas para ser consumida e desfrutada temos de ter um papel a montante”, referiu, Além do mais, frisou, um livro é fácil de transportar e acessível. “As bibliotecas emprestam livros”.

Teresa Calçada sublinhou que as narrativas também podem estar no tablet, de forma controlada, e que os adolescentes devem entrar numa biblioteca e escolher livros que até podem não ser para a sua idade. “Todos nós fizemos isso”, lembrou.

O encontro dos docentes de português, que começou na segunda-feira, encerra esta terça-feira com a presença do secretário de Estado da Educação, João Costa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.

Escolas

Ninguém quer resolver o problema das matrículas

Alexandre Homem Cristo
277

Não faltam exemplos internacionais de soluções para as matrículas. Só que o nosso obstáculo de raiz não é a falta de alternativas; é mesmo a falta de vontade. Como se vê, isso não mudará tão depressa.