Logo Observador
O Que Está a Dar

Os atacadores contra-atacam. É o assalto à roupa

Dos sapatos para os vestidos, as saias, as camisolas e os fatos-de-banho. Os cordões dos atacadores, e respetivas ilhoses, saltaram para tudo o que é roupa. Juntámos looks e compras com a tendência.

Não se pode dizer que esta tendência não ata nem desata. Com um nó, um laço ou simplesmente pendurados, os cordões saíram dos sapatos para se enrolarem à volta de vestidos, camisolas, saias e fatos-de-banho.

A culpa será dos espartilhos, uma das maiores e mais inesperadas tendências do outono de 2016. Depois de recuperar este acessório antigo, agora usado como uma espécie de cinto por cima da roupa (obrigada, Prada), a moda foi buscar o mesmo sistema para o colocar nas bainhas das calças e nos decotes ou até, simplesmente, para variar dos tradicionais botões.

© Benjamin Kwan/The Haute Pursuit

Numa variação da tendência, há ainda marcas como a Kenzo e a Diesel que deixaram os atacadores onde eles costumam estar mas trouxeram as ilhoses — aquelas bolinhas metálicas que reforçam os furinhos onde passam os cordões, também conhecidas como eyelets — para servir de ornamento em blusões e malas.

Na fotogaleria reunimos várias sugestões de como usar a tendência, assim como várias peças-chave.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt
Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

Crónica

Um certo tempo

Miguel Tamen

O que é dizer uma coisa? Se eu contei um segredo a mim próprio não posso ser acusado de bisbilhotice ou de traição: não disse nada.