Justiça

Portugal vai partilhar impressões digitais de arguidos com a União Europeia

Medida ao abrigo da legislação europeia pretende agilizar combate à criminalidade e terrorismo. Portugal é dos últimos países a implementar, seis anos depois do prazo e após um aviso de Bruxelas.

Getty Images

As impressões digitais de pessoas constituídas arguidas recolhidas pelas autoridades portuguesas vão passar a estar disponíveis para as autoridades europeias, escreve esta quinta-feira o Diário de Notícias. No total, a base de dados atual, que se encontra na Polícia Judiciária, diz respeito a mais de 250 mil cidadãos constituídos arguidos pela justiça portuguesa.

A medida é uma exigência da União Europeia, ao abrigo do Acordo de Prum, com o objetivo de agilizar o combate à criminalidade e ao terrorismo na UE, mas já chega com seis anos de atraso. Isto porque o documento foi assinado pelos Estados-membros em 2008 e a partilha de bases de dados deveria estar totalmente operacional em 2011, mas países como Portugal, Irlanda, Grécia, Croácia ou Itália demoraram vários anos a implementar a decisão.

A ministra da Justiça, Francisca van Dunem, viu-se forçada a acelerar a implementação da medida depois de, em setembro do ano passado, Portugal ter recebido um aviso de infração por parte da UE, por não estar a cumprir o acordo.

Segundo o DN, a proposta de lei foi remetida esta semana pelo Ministério das Finanças à Assembleia da República, mas a elaboração do texto final não foi consensual entre as autoridades judiciais. O Governo terá mesmo ignorado uma recomendação do Ministério Público, que defendia que apenas o arguidos de crimes com penas superiores a três anos deveriam ser incluídos nesta base de dados partilhada, mas o diploma prevê a recolha de impressões digitais de todos os arguidos. Num parecer do Conselho Superior do Ministério Público citado pelo jornal, implementar a medida com esta extensão representa uma “clara ingerência na vida privada”.

Uma primeira versão da proposta de lei incluía a inclusão das impressões digitais de menores entre os 12 e os 16 anos, mas o Governo acabou por voltar atrás após um parecer da Comissão Nacional de Proteção de dados. A proposta indica ainda que as impressões digitais completas (10 dedos e palma da mão) ficam armazenadas no sistema durante 15 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
IPSS

O PS é incorrigível

Manuel Villaverde Cabral

Se não houve vigilância financeira, quem nos diz que há vigilância médica e técnica competente? A Segurança Social, a par da Função Pública, continua pois a ser grande fonte de clientelismo do Estado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site