Presidenciais em França

Fillon e Mélenchon mais próximos de Le Pen e Macron nas presidenciais francesas

A última sondagem do Instituto Opinion Way mostra que François Fillon e Jean-Luc Mélenchon estão a aproximar-se dos dois favoritos para a segunda volta, Marine Le Pen e Emmanuel Macron.

A sondagem foi realizada com base numa amostra de 2.168 pessoas inscritas nos cadernos eleitorais

JULIEN WARNAND/EPA

O candidato conservador às presidenciais francesas, François Fillon, e o candidato da extrema-esquerda Jean-Luc Mélenchon aproximaram-se ainda mais dos favoritos para a segunda volta, Marine Le Pen (extrema-direita) e Emmanuel Macron (centro), de acordo com o cenário traçado pelo Instituto Opinion Way, numa sondagem publicada esta terça-feira.

De acordo com o Instituto Opinion Way, se a primeira volta das eleições, que se realizam no próximo domingo, tivesse sido na segunda-feira, Le Pen teria obtido 22% dos votos, menos um ponto percentual do que o indicado na anterior sondagem, de dia 14 de abril. Macron também teria conquistado 22%, a mesma percentagem que o instituto de sondagens atribuiu ao ex-ministro da Economia na sexta-feira da semana passada.

Fillon, por seu turno, teria melhorado um ponto, alcançando os 21%, e Mélenchon teria avançado também um ponto, até aos 18%. O socialista Benoît Macron retrocederia um ponto até aos 8%.

Em relação à segunda volta, programada para 7 de março, se Macron e Le Pen a disputarem, o primeiro ganhará com 64% dos votos — mais dois pontos do que o previsto na sondagem de dia 14. A candidata da extrema-direita baixará assim dois pontos, ficando com 36%. Na hipótese de Fillon passar à segunda volta com Le Pen, o líder conservador vencerá com 60% (mais dois pontos), contra os 40% de Le Pen (menos dois pontos).

A sondagem foi realizada com base numa amostra de 2.168 pessoas inscritas nos cadernos eleitorais, a partir de um grupo representativo da população francesa, com mais de 18 anos, constituído através de um método de quotas que tem em conta o sexo, a idade, categoria profissional, zona de residência, entre outros fatores. As entrevistas foram feitas com o sistema CAWI (Computer Assisted Web Interview) a 14, 15 e 16 de abril.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

De Trump a Macron, do populismo ao elitismo

Rui Ramos

Quando vão aparecer as imitações de Macron? Muita gente já se deve andar a ver ao espelho, a confirmar que tem o cabelo e o sorriso certos. No Porto, o divórcio municipal já foi atribuído a Macron  

Presidenciais em França

O anjo

Maria João Avillez

Emmanuel Macron sabe ao pormenor o que está a fazer: encarnar num mito. Um misto de pai, chefe, condutor do povo, inspirador das massas. Emmanuel quer dizer Deus connosco. Pode ser perigoso.

Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site