100% português

Houndsditch. A loucura aplicada aos fatos de banho

Tem um nome londrino mas é fabricada em Carnaxide por um inglês que veio para Portugal só para fazer fatos de banho. À história improvável a Houndsditch junta padrões divertidos e tecidos reciclados.

Andrew Young estava no escritório, em Londres, quando decidiu que queria construir alguma coisa. À frente tinha um computador com relatórios financeiros mas de repente não conseguia pensar noutra coisa que não fossem fatos de banho. Foi em 2014, já lá vão três anos. Entretanto despediu-se da profissão de analista, saiu da capital inglesa e mudou-se para Portugal, só para fazer roupa de praia.

Dos tempos londrinos ficou o nome da marca, batizada segundo um bairro da cidade sem vestígios de mar ou areia, Houndsditch. Uma bizarria que o empresário de 32 anos adora. “Pareceu-me um nome forte e ao mesmo tempo improvável porque não tem nada a ver com a maioria das marcas desta área que vão buscar expressões como Coco Beach ou Palm Wind. Eu gosto desse lado meio louco.”

Loucura é de facto algo que não falta ao cartão de identidade desta marca portuguesa. Primeiro porque tudo o que Andrew Young começou por aprender sobre desenho e modelagem de roupa de banho, aprendeu no YouTube. Segundo porque quando pôs na cabeça que queria mesmo fazer uma marca de calções — fez uma primeira coleção ainda em Inglaterra, em 2014, com muita dificuldade e sem grande sucesso — foi falar com a única pessoa que conhecia ligada à moda e deu por si num desfile em Paris, onde lhe prometeram que iria ficar a saber tudo o que precisava.

Os biquínis ainda estão para chegar, mas ninguém se queixa ao ver como todo o tecido dos fatos de banho é aproveitado.

“Fui ao desfile e falei com várias pessoas, mas ninguém sabia responder às minhas perguntas”, conta Andrew, numa mistura de inglês e português. “As únicas pessoas que acabaram por me ajudar eram fornecedores de forros de banho que trabalhavam em Portugal. Trocámos contactos e liguei-lhes depois do desfile. Eles continuaram a responder às minhas perguntas e eu percebi que tinha de vir para Portugal se queria que este negócio funcionasse.”

A fama da indústria têxtil nacional ajudou na decisão de largar a casa e o trabalho, mas a verdade é que Andrew aterrou no Porto sem saber muito bem o que ia fazer. Passou seis meses em reuniões com fábricas do Norte, umas boas, outras nem tanto, até que conheceu o seu atual fabricante e se mudou para Lisboa.

A primeira coleção da Houndsditch nasceu no verão de 2016, inteiramente feita em Carnaxide. A segunda já está na loja online e continua a apostar em padrões divertidos que tanto têm flamingos como paisagens estratosféricas, e que pintam fatos de banho de mulher e calções masculinos. 80% dos designs são do próprio Andrew — o resto é feito através de parcerias com ilustradores e designers — e na loja online é possível personalizar a altura da perna, mais ou menos subida.

Andrew Young com um dos calções da marca que fez com que largasse tudo e viesse para Portugal atrás da indústria têxtil. Veio por causa do negócio e o surf, que já praticava, foi um bónus.

A composição do tecido é que nunca muda: 80% poliéster reciclado, 20% elastano. “Mais uma vez parece meio louco, mas a base molecular das fibras de poliéster, que são usadas em todos os fatos de banho, são as mesmas que são usadas em garrafas de plástico”, explica o também surfista. “Os fornecedores com que trabalho recolhem garrafas usadas e derretem-nas até terem uma espécie de pequenas missangas que por sua vez são transformadas no fio do poliéster. Sete garrafas de litro e meio dão para fazer um fato de banho.”

Embora o investimento seja maior — e os tecidos venham de Itália e de Hong Kong, para terem o selo de aprovação de que são mesmo reciclados — Andrew não deixa de encontrar uma associação forte entre a matéria-prima e o produto final. “Provavelmente aquelas garrafas acabariam no mar e é uma ideia romântica pensar que se pode usar um fato de banho para ajudar a manter os oceanos limpos.”

Alerta flamingos, também nos calções masculinos.

Da cadeira de analista londrino para fundador de uma marca de swimwear, resta perguntar: porquê fazer fatos de banho? “Fui nadador de competição e vivi oito anos na Indonésia quando era criança, ou seja, estava sempre na praia. Para mim os calções de banho são um símbolo das coisas que gosto na vida e também um objeto feliz”, diz o designer, que deixa uma aposta: “No fim da vida, quando olharmos para trás e recordarmos os melhores momentos que tivemos, é muito provável que estejamos a usar um fato de banho. Por isso, mais vale que ele seja bonito.”

Nome: Houndsditch
Data: 2016
Pontos de venda: Loja online e Rosawild (Rua da Rosa, 31, Lisboa)
Preços: Fatos de banho a partir de 58,99€, calções a 76,99€

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site