Logo Observador
Brexit

Reino Unido. Saiba o que vai acontecer caso o Parlamento aprove eleições antecipadas

O Parlamento britânico decide esta quarta-feira a convocação de eleições antecipadas para 8 de junho. Saiba quais passos seguintes se dois terços dos deputados aprovarem a proposta do governo de May.

Theresa May surpreendeu o mundo político ao anunciar plano para convocar eleições antecipadas

ANDY RAIN/EPA

Após meses a negar uma antecipação das eleições de modo a não dificultar as negociações do Brexit, a primeira-ministra Theresa May anunciou ontem a intenção do governo de marcar eleições antecipadas para 8 de junho. O Parlamento debate a proposta esta quarta-feira e deverá votar a favor da medida.

Em declarações ao Sun, a governante garante que quer garantir a “melhor posição de negociação”.

Tornou-se claro de que existia um jogo político e divisão em Westminster, que nos dificultaria as negociações com a União Europeia.”

Com receio de perder poder de negociação sem garantir antes um mandato forte, a primeira-ministra britânica espera que as eleições antecipadas mostrem a vontade do povo em apoiar o Brexit e que isso lhe garanta uma mão firme nas negociações.

Theresa May pede eleições antecipadas para 8 de junho

A Lei Parlamentar do Mandato Fixo permite antecipar as eleições se pelo menos dois terços dos deputados aprovarem a proposta do governo – a favor deverão votar os Liberais Democratas e os Trabalhistas. O Partido Nacional Escocês, liderado por Nicola Sturgeon, deverá abster-se, como confirmam os comentários da governante escocesa no Twitter – dias após ter entregue um segundo pedido formal para um referendo sobre a independência da região.

A ser aprovada a proposta do executivo de May, o Parlamento terá apenas sete dias de trabalho e terão de finalizar ou arquivar legislações em discussão. Caso não seja encontrado consenso, terão que ser arquivados até um novo Parlamento tomar posse. À partida serão dez tópicos de discussão, antecipa a BBC.

Em destaque para os órgãos de governo local: por um lado discute-se a isenção dos mesmos de gerir legislação relativa a serviços sociais de menores, e a possibilidade de criarem as suas próprias entidades de transporte público. Também sobre a mesa está o estatuto dos estudantes estrangeiros.

Nestes sete dias, na quarta-feira, 19, o debate é marcado sobre a dissolução prematura do Parlamento e haverá espaço para as questões da primeira-ministra. Uma vez que não serão agendados debates televisivos, os eventos desta quarta-feira e os de 26 de abril serão ótimas plataformas de campanha para os partidos.

Terça-feira, 2 de maio, marcará o último dia de assento para a Câmara dos Lordes e para a Câmara dos Comuns uma vez que na quarta-feira seguinte, 3, se dissolve formalmente o Parlamento. Imediatamente a seguir, quinta-feira, 4, realizam-se eleições locais.

Com estas datas em mente, os partidos terão até dia 11 de maio para anunciarem as suas nomeações e os eleitores terão até dia 22 do mesmo mês para se registarem para votar. É um calendário apertado e inesperado, tanto para a legislação que ainda paira em Westminster, como para os partidos que terão pouco mais de um mês para preparem as campanhas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.