Logo Observador
Canábis

4/20. A história (controversa) do dia da marijuana

196

Tudo começou em 1971, quando cinco estudantes norte americanos começaram a juntar-se todas as tardes, às 16h20, para fumar marijuana junto a uma estátua no campus onde estudavam.

ORESTIS PANAGIOTOU/EPA

Esta quinta-feira celebra-se, um pouco por todo o mundo, o dia da marijuana. A efeméride é ilegal, claro, mas tornou-se suficientemente popular para assumir uma dimensão mundial. E o dia 20 de abril não é por acaso.

Como explica a Time, tudo começou em 1971, quando cinco estudantes norte americanos começaram a juntar-se todas as tardes, às 16h20, para fumar marijuana junto a uma estátua no campus onde estudavam.

Durante o dia, era comum aqueles estudantes usarem o código ‘420’, precisamente em referência à hora combinada, para indicarem uns aos outros que se deveriam encontrar naquela tarde para fumar marijuana, na hora e no local do costume.

O código popularizou-se quando um dos jovens, Dave Reddix, conseguiu um emprego como roadie do baixista Phil Lesh, dos Grateful Dead. O termo acabou por ser ouvido entre os fãs da banda e, segundo a história mais conhecida, um círculo de fãs distribuiu panfletos na cidade de Oakland a convidar as pessoas para fumarem erva às 16h20 de dia 20 de abril.

Um desses panfletos acabou por ser entregue a um antigo jornalista da revista High Times, uma publicação a favor da legalização da canábis, que publicou o panfleto e continuou a utilizar o número associado ao consumo daquela droga.

O grupo dos cinco estudantes ficou conhecido como The Waldos, e a revista reconheceu-os como inventores do ‘420’, hoje mundialmente associado à marijuana.

De acordo com a Time, os cinco ainda vivem na Califórnia, continuam a ser amigos e reconhecidos como os criadores do código. Mas a explicação para a especificidade da hora não é extraordinária: as aulas acabavam às 15h, depois os jovens tinham atividades desportivas e por volta das 16h20 estavam livres.

Também há outras explicações mais alternativas para tentar justificar o dia da marijuana: há quem diga que a efeméride se comemora neste dia por ser a data de nascimento de Adolf Hitler, que era viciado em drogas, mas esta explicação não tem tido sucesso entre os principais defensores da legalização das drogas leves.

Há quem diga ainda que o número corresponda também ao código usado pela polícia para emergências relacionadas com o consumo de canábis, mas tal também não é verdade. O site LA Weekly reúne uma dezena de histórias sobre possíveis origens para o código, todas elas comprovadamente erradas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
442

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.

Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus
107

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.