Logo Observador
Escritores

Escritor Frederico Pedreira venceu Prémio INCM/Vasco Graça Moura 2016

O escritor Frederico Pedreira, com o texto "Uma Aproximação à Estranheza", venceu o Prémio Imprensa Nacional-Casa da Moeda/Vasco Graça Moura 2016.

O prémio, com o valor pecuniário de 5.000 euros, é entregue ao escritor no próximo dia 27

Lusa

O escritor Frederico Pedreira, com o texto “Uma Aproximação à Estranheza”, venceu o Prémio Imprensa Nacional-Casa da Moeda/Vasco Graça Moura 2016, que nesta sua segunda edição é dedicado ao Ensaio, foi divulgado esta quinta-feira.

O prémio, com o valor pecuniário de 5.000 euros, é entregue ao escritor no próximo dia 27, numa cerimónia na Biblioteca da Imprensa Nacional, em Lisboa, em que será apresentada a obra, editada este ano, pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM). A apresentação está a cargo do poeta José Tolentino Mendonça, que presidiu ao júri, constituído ainda pelos escritores Jorge Reis-Sá e Pedro Mexia.

O júri decidiu atribuir o galardão por unanimidade, destacando na obra a “robustez teórica e a amplidão de olhar no tratamento de um tema transversal à experiência de receção do mundo e das suas múltiplas linguagens: a noção de estranheza”, segundo a ata à qual a agência Lusa teve acesso.

Sobre “Uma Aproximação à Estranheza”, o júri referiu ainda que “o esforço de compreensão da estranheza inscreve uma posição de abertura epistemológica à diversidade e aos seus ecos, aprofundando a natureza dialógica que é o fulcro da civilização e da cultura”.

“Uma Aproximação à Estranheza” é o segundo título distinguido com o Prémio INCM/Vasco Graça Moura, sucedendo a “História do século vinte”, de José Gardeazabal, que venceu em 2015 a primeira edição, dedicada à Poesia.

A edição de 2017 do prémio é dedicada à Tradução. O galardão tem uma periodicidade anual e visa distinguir obras inéditas nas áreas de atuação em que Vasco Graça Moura se destacou, nomeadamente, na Poesia, no Ensaio (área das Humanidades) e na Tradução (obras clássicas, no domínio público, também na área das humanidades).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.