Escritores

Escritor Frederico Pedreira venceu Prémio INCM/Vasco Graça Moura 2016

O escritor Frederico Pedreira, com o texto "Uma Aproximação à Estranheza", venceu o Prémio Imprensa Nacional-Casa da Moeda/Vasco Graça Moura 2016.

O prémio, com o valor pecuniário de 5.000 euros, é entregue ao escritor no próximo dia 27

Lusa

O escritor Frederico Pedreira, com o texto “Uma Aproximação à Estranheza”, venceu o Prémio Imprensa Nacional-Casa da Moeda/Vasco Graça Moura 2016, que nesta sua segunda edição é dedicado ao Ensaio, foi divulgado esta quinta-feira.

O prémio, com o valor pecuniário de 5.000 euros, é entregue ao escritor no próximo dia 27, numa cerimónia na Biblioteca da Imprensa Nacional, em Lisboa, em que será apresentada a obra, editada este ano, pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM). A apresentação está a cargo do poeta José Tolentino Mendonça, que presidiu ao júri, constituído ainda pelos escritores Jorge Reis-Sá e Pedro Mexia.

O júri decidiu atribuir o galardão por unanimidade, destacando na obra a “robustez teórica e a amplidão de olhar no tratamento de um tema transversal à experiência de receção do mundo e das suas múltiplas linguagens: a noção de estranheza”, segundo a ata à qual a agência Lusa teve acesso.

Sobre “Uma Aproximação à Estranheza”, o júri referiu ainda que “o esforço de compreensão da estranheza inscreve uma posição de abertura epistemológica à diversidade e aos seus ecos, aprofundando a natureza dialógica que é o fulcro da civilização e da cultura”.

“Uma Aproximação à Estranheza” é o segundo título distinguido com o Prémio INCM/Vasco Graça Moura, sucedendo a “História do século vinte”, de José Gardeazabal, que venceu em 2015 a primeira edição, dedicada à Poesia.

A edição de 2017 do prémio é dedicada à Tradução. O galardão tem uma periodicidade anual e visa distinguir obras inéditas nas áreas de atuação em que Vasco Graça Moura se destacou, nomeadamente, na Poesia, no Ensaio (área das Humanidades) e na Tradução (obras clássicas, no domínio público, também na área das humanidades).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site