Logo Observador
Pensões

Acesso à reforma antecipada vai ser cada vez mais tarde

O acesso à reforma antecipada vai ser cada vez mais tardio, além dos 60 anos de idade. Em contrapartida, as penalizações serão menores.

Antonio Jose/LUSA

O acesso às reformas antecipadas vai ser cada vez mais difícil, dado que o limite mínimo de 60 anos de idade vai aumentar todos os anos ao ritmo da idade legal de reforma, avança hoje o Jornal de Negócios. Uma medida que tende a afastar progressivamente mais trabalhadores do direito de saírem do mercado de trabalho de forma voluntária.

Esta intenção do Governo, embora conste da proposta entregue pelo Governo aos parceiros a 6 de Abril, tem estado ausente do debate político. “A idade mínima de acesso à reforma antecipada acompanhará anualmente a evolução da idade normal de acesso à pensão”, lê-se no documento oficial.

Uma regra que a UGT já questionou: “No parecer de análise que enviou ao Ministério do Trabalho esta semana, a UGT mostra-se desagradada com o facto de o ministro Vieira da Silva impedir quem tem menos de 60 anos de se reformar voluntariamente, como foi possível no período pré-troika e durante alguns meses no início de 2016”, cita o Negócios.

Em contraste com a subida da idade mínima para a reforma, está previsto que as penalizações sejam substancialmente mais baixas para as reformas antecipadas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.