Pensões

Acesso à reforma antecipada vai ser cada vez mais tarde

O acesso à reforma antecipada vai ser cada vez mais tardio, além dos 60 anos de idade. Em contrapartida, as penalizações serão menores.

Antonio Jose/LUSA

O acesso às reformas antecipadas vai ser cada vez mais difícil, dado que o limite mínimo de 60 anos de idade vai aumentar todos os anos ao ritmo da idade legal de reforma, avança hoje o Jornal de Negócios. Uma medida que tende a afastar progressivamente mais trabalhadores do direito de saírem do mercado de trabalho de forma voluntária.

Esta intenção do Governo, embora conste da proposta entregue pelo Governo aos parceiros a 6 de Abril, tem estado ausente do debate político. “A idade mínima de acesso à reforma antecipada acompanhará anualmente a evolução da idade normal de acesso à pensão”, lê-se no documento oficial.

Uma regra que a UGT já questionou: “No parecer de análise que enviou ao Ministério do Trabalho esta semana, a UGT mostra-se desagradada com o facto de o ministro Vieira da Silva impedir quem tem menos de 60 anos de se reformar voluntariamente, como foi possível no período pré-troika e durante alguns meses no início de 2016”, cita o Negócios.

Em contraste com a subida da idade mínima para a reforma, está previsto que as penalizações sejam substancialmente mais baixas para as reformas antecipadas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site