PT

Administrador financeiro demite-se da PT Portugal devido a divergências sobre projeto

116

Guy Pacheco, administrador financeiro da PT Portugal, demitiu-se do cargo devido a divergências em relação ao projeto empresarial, avança a agência Lusa. A PT Portugal é controlada pela Altice.

AFP/Getty Images

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

Guy Pacheco deixou o lugar de administrador financeiro (CFO) da PT Portugal, disse à Lusa fonte ligada ao processo, depois de recentemente Luís Nascimento (pelouro comercial) ter saído da administração da operadora de telecomunicações do grupo Altice. O administrador executivo, que tinha o pelouro financeiro e era o número dois na administração, comunicou a sua demissão do cargo ao presidente executivo da PT Portugal no início desta semana, adiantou a mesma fonte.

A razão da saída deve-se, essencialmente, a “divergências com o atual projeto empresarial definido para a empresa”, acrescentou a mesma fonte. A PT Portugal, que concentra a operação portuguesa da antiga PT SGPS, foi comprada pela francesa Altice em 2015 depois do fracasso da fusão entre o grupo português e a brasileira Oi. A empresa é atualmente liderada por Paulo Neves.

Guy Pacheco era um dos administradores que continuou na administração após a compra da PT Portugal pelos franceses da Altice, em 2015. O responsável está há 16 anos na PT, tendo entrado na PT Multimédia (que veio a dar origem à Zon atualmente integrada na Nos) quando esta era liderada por Abílio Ançã Henriques.

Na operadora de telecomunicações, Guy Pacheco foi diretor de planeamento e controlo, entre 2011 e 2015, tendo anteriormente sido diretor de melhoria contínua e transformação na PT Comunicações e na PT Portugal (2007-2011).

A notícia de mais uma baixa na administração da PT Portugal surge na mesma semana em que o Público noticiou que a Altice estava a estudar a mudança das suas marcas no quadro de uma estratégia global, que poderia levar ao desaparecimento da Meo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IPSS

O PS é incorrigível

Manuel Villaverde Cabral

Se não houve vigilância financeira, quem nos diz que há vigilância médica e técnica competente? A Segurança Social, a par da Função Pública, continua pois a ser grande fonte de clientelismo do Estado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site