Logo Observador
Banco de Portugal

Atividade económica aumenta em março e consumo privado permanece estável

A atividade económica aumentou em março pelo quinto mês consecutivo, enquanto o consumo privado se manteve "relativamente estável", de acordo com os indicadores coincidentes divulgados pelo Banco de Portugal.

Manuel Almeida/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A atividade económica aumentou em março pelo quinto mês consecutivo, enquanto o consumo privado se manteve “relativamente estável”, de acordo com os indicadores coincidentes divulgados pelo Banco de Portugal (BdP).

Segundo os dados do BdP, o indicador coincidente mensal para a atividade económica fixou-se nos 2,0% em março, depois dos 1,6% de fevereiro e 1,3% de janeiro e “prolongando a tendência observada desde o quarto trimestre do ano passado”.

Já o indicador coincidente mensal para o consumo privado permaneceu nos 2,3% em março, mantendo-se “relativamente estável” nos últimos meses.

Os indicadores coincidentes são indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Casos que nos deviam preocupar

Helena Garrido
1.042

O Governo inviabilizou as escolhas para o Banco de Portugal e do Conselho de Finanças Públicas. Assim se fragilizam as poucas instituições fortes que temos e se condena um país ao subdesenvolvimento.

António Costa

Sim, isto é mesmo como na Grécia

Rui Ramos

Não é só em Portugal: também a Grécia festeja um resultado orçamental histórico. O método foi o mesmo: reduzir o Estado a controle, empregos, e favores para amigos, e cortar o resto sem piedade. 

António Costa

Sim, isto é mesmo como na Grécia

Rui Ramos

Não é só em Portugal: também a Grécia festeja um resultado orçamental histórico. O método foi o mesmo: reduzir o Estado a controle, empregos, e favores para amigos, e cortar o resto sem piedade. 

Crónica

Ocasiões de choradeira

Miguel Tamen

O maior serviço que a televisão presta é pelo contrário o de proporcionar a quem nela aparece a falar ocasiões de choradeira: dar azo ao apreço que quem fala sente por si próprio.