Logo Observador
Brexit

Brexit: UE pronta a receber Londres de volta se eleição reverter saída

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, assegurou que o Reino Unido será recebido de braços abertos se o resultado das legislativas antecipadas de 8 de junho traduzir uma vontade de reverter a saída da União Europeia.

ANDY RAIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, assegurou que o Reino Unido será recebido de braços abertos se o resultado das legislativas antecipadas de 08 de junho traduzir uma vontade de reverter a saída da União Europeia.

“Se o Reino Unido, depois da eleição, quiser retirar [o artigo 50.º], então o procedimento é muito claro. Se o Reino Unido quisesse ficar [na UE] toda a gente seria a favor. Eu ficaria muito contente”, disse Tajani numa entrevista ao diário britânico The Guardian.

“A decisão final pertence aos 27 Estados membros, mas toda a gente seria a favor”, insistiu Tajani, que falou ao jornal na quinta-feira, depois de um encontro em Londres com a primeira-ministra britânica, Theresa May.

May convocou na terça-feira eleições legislativas antecipadas para 08 de junho, três anos antes da data prevista, com o fim de reforçar a sua maioria parlamentar na perspetiva das negociações de saída da UE.

As sondagens dão 20 pontos percentuais de vantagem aos conservadores face à oposição trabalhista, mas os liberais democratas, pró-UE, esperam atrair o voto dos eleitores que são contra o ‘Brexit’, rejeitado no referendo de 23 de junho por 48% dos eleitores.

As declarações de Tajani contrariam a posição do Governo e de vários setores políticos britânicos de que as eleições de junho não são uma segunda oportunidade para decidir sobre a permanência ou saída da UE.

“O Reino Unido vai sair da União Europeia e não há volta atrás”, afirmou May na terça-feira, ao anunciar a antecipação das eleições.

Nas legislativas britânicas de 2015, os conservadores obtiveram 36,9%, os trabalhistas 30,4% e os liberais democratas 7,9%.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidenciais em França

A Revolução Francesa

Paulo Trigo Pereira

Quer gostemos ou não do personagem, após o processo presidencial Emmanuel Macron e o seu movimento “En marche” a política, em França, e na Europa, não voltará a ser o que era.