Logo Observador
Agências de Rating

Manutenção do rating da DBRS “reflete os legados da crise”, diz o Ministério das Finanças

Ministério das Finanças diz que agência DBRS reconhece o progresso que Portugal tem feito. Decisão de manter o rating "reflecte os legados da crise, em particular no endividamento e crédito em risco".

MÁRIO CRUZ/LUSA

 

Ao manter a nota da dívida portuguesa e a perspetiva estável, a DBRS reconhece o progresso que se tem verificado nos principais desafios que ainda se colocam ao país, sublinha o Ministério das Finanças. A reação acrescenta contudo que a decisão da agência canadiana ainda “reflete os legados da crise, em particular no endividamento e nos créditos em risco, desafios sobre os quais o Governo tem atuado”.

O comunicado considera ainda que esta tomada de posição traduz ainda o “facto de Portugal ter excedido as expetativas do mercado no que toca ao crescimento económico, à consolidação orçamental e à estabilização do setor financeiro.”

Nesta nota, o Ministério das Finanças elenca o que considera serem os aspetos positivos que recentemente marcaram a evolução das contas públicas e da economia nacional, destacando o progresso estrutural no desempenho económico e no equilíbrio das contas do Estado, que se reflete em indicadores como o desemprego, que está a cair, e nas exportações, que valem hoje 40% do Produto Interno Bruto. Sem esquecer o défice de 2% em 2016, “o nível mais baixo da história democrática Portuguesa”.

O ministério liderado por Mário Centeno conclui ainda que o “reconhecimento dos bons resultados económicos e financeiros serve de âncora à classificação de Portugal com o grau de investimento, o que é refletido nas análises de crédito mais construtivas.” A agência canadiana é a única que dá à dívida portuguesa um rating que corresponde a nível de investimento, acima do chamado lixo,

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Estado de calamidade

Manuel Villaverde Cabral
317

Continua tudo como dantes: o país está entregue ao clientelismo governamental, dependente do crescimento externo e condenado à dívida. Esta é que é a calamidade que explica as outras calamidades.

Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida
1.438

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Minorias

Todos contra todos

Alexandre Homem Cristo

Não perceber que a fragmentação social está a ser alimentada pela direita e pela esquerda, através de políticas de identidade, é não entender o problema. E, claro, para ele não poder encontrar solução