Logo Observador
Fátima

Papa. Arcebispo elogia “milagre” no Recife que sustentou canonização dos pastorinhos

O arcebispo de Olinda e Recife mostrou-se esta sexta-feira satisfeito por ter sido uma criança da arquidiocese brasileira a viabilizar o processo de canonização dos pastorinhos de Fátima.

No próximo dia 13 de maio, o bispo brasileiro não vai estar presente em Fátima por motivos de agenda, mas disse esperar que a criança participe nas celebrações em Portugal.

PAULO CUNHA/LUSA

O arcebispo de Olinda e Recife mostrou-se esta sexta-feira satisfeito por ter sido uma criança da arquidiocese brasileira a viabilizar o processo de canonização dos pastorinhos de Fátima, que se vai realizar a 13 de maio. “Fiquei surpreso, fiquei contente e feliz que Recife tenha dado essa contribuição. Todos aqui ficaram muito satisfeitos e felizes que esse facto tenha sido levado em conta. Não conheço a criança, mas pretendo entrar em contacto para conhecê-la”, afirmou à Lusa Antônio Saburido.

O caso do “milagre” reconhecido pela igreja católica data de 2007, quando uma criança, então com seis anos, recuperou incólume de danos cerebrais considerados irreversíveis depois de uma queda de sete metros. Na altura, Antônio Saburido era bispo de Sobral, no estado do Ceará (nordeste), e a arquidiocese de Recife era dirigida pelo seu antecessor, José Cardoso Sobrinho.

Por isso, o arcebispo admitiu não conhecer pessoalmente a criança, até porque a avaliação deste caso foi feita pelos serviços da postulação da causa de canonização dos pastorinhos beatos Jacinta e Francisco Marto, em Portugal. No próximo dia 13 de maio, o bispo brasileiro não vai estar presente em Fátima por motivos de agenda, mas disse esperar que a criança participe nas celebrações em Portugal.

“Se houver facilidade para a criança ir, seria muito importante que ela fosse. Vai ser uma coisa muito bonita e é importante que esteja lá a criança que provocou a confirmação do que faltava” para a conclusão do processo de canonização de Jacinta e Francisco Marto. O caso foi considerado formalmente “milagre” pela Igreja católica em 23 de março passado e diz respeito a uma criança brasileira, que na época tinha seis anos.

A criança “estava na casa do avô, brincando com a irmãzinha, quando caiu, por acidente, de uma janela de cerca sete metros de altura, sofrendo um grave traumatismo crânio encefálico, com a perda de material cerebral”, de acordo com a Rádio Vaticana. Depois de transportada para “o hospital, em coma, foi operada” e os médicos disseram que, “caso sobrevivesse, viveria em estado vegetativo ou, no máximo, com graves deficiências cognitivas”.

A Rádio do Vaticano escreveu que, “milagrosamente, após três dias, a criança recebeu alta, não sendo constatado nenhum dano neurológico ou cognitivo”. A 2 de fevereiro de 2007, uma equipa médica, segundo a mesma fonte, deu um “parecer positivo unânime sobre o caso, como ‘cura inexplicável do ponto de vista científico'”.

Na descrição da Rádio Vaticana, “no momento do incidente, o pai da criança havia invocado Nossa Senhora de Fátima e os dois pequenos beatos”. “Na mesma noite, os familiares e uma comunidade de irmãs de clausura haviam rezado com insistência, pedindo a intercessão dos pastorinhos de Fátima”, descreveu a emissora católica.

Construído em 1935, apenas cinco anos depois do reconhecimento formal das “aparições” marianas pela diocese de Leiria, o Recife tem um dos mais antigos santuários do mundo dedicados a Nossa Senhora de Fátima, com atividades regulares, milhares de peregrinos e várias celebrações religiosas, muitas delas dedicadas ao pedido de graças divinas, na tradição católica brasileira.

Após a beatificação dos pastorinhos, em 2000, foram colocadas duas imagens grandes de Jacinta e Francisco Marto, um sinal da devoção mariana do local.

Esta tradição começou “pelo facto de termos aqui tantos portugueses”, mas agora é evidente a “grande a devoção a Nossa Senhora de Fátima” por parte da população e “temos muitas paróquias dedicadas a Nossa Senhora de Fátima” em todo o Brasil, afirmou o arcebispo de Recife. O Vaticano anunciou na quinta-feira que o papa Francisco vai canonizar, a 13 de maio, os dois pastorinhos Jacinta e Francisco durante a visita a Fátima para assinalar o centenário das “aparições”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Felicidade

Portugal

Paulo Tunhas

Acaso Fátima, o Benfica e o “Amar pelos dois” nos vão mudar, para melhor ou para pior, colectivamente, a vida? É claro que não. E pretender o contrário é pura e simplesmente falso.

País

A sorte dos Lerchenau

Ricardo Ramos

Nós temos mesmo, ou o azar dos Távoras, ou a sorte dos mexilhões. Com os mesmos Dê-Erres, mas sem a ironia do outro tempo: “Sebentas em estado novo, doutorzinho.”

Terrorismo

Um homem, um gesto

Laurinda Alves

Fernando Álvarez fez sozinho o minuto de silêncio e humanamente ganhou em toda a linha. Harry Athwal, que permaneceu ajoelhado ao lado do rapazinho, deu um testemunho admirável de coragem e humanidade