Logo Observador
Salários

Trabalhadores da Casa da Moeda aprovam em plenário resolução que defende aumento salarial

Os trabalhadores da Imprensa Nacional Casa da Moeda reuniram-se em plenário e aprovaram, por unanimidade, a resolução que defende o Acordo da Empresa e o aumento salarial.

A Imprensa Nacional Casa da Moeda tem 653 trabalhadores

JOAO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os trabalhadores da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM) reuniram-se esta quinta-feira em plenário, junto à sede da organização, e aprovaram, por unanimidade, a resolução que defende o Acordo da Empresa (AE) e o aumento salarial.

Depois do plenário, os funcionários deslocaram-se à sede da Parpública, Sociedade Gestora de Participações do Estado, para entregar o documento resultante da decisão dos trabalhadores.

O dirigente do Sindicato das Indústrias Transformadoras (SITE), Navalha Garcia, disse à agência Lusa que o sindicato já havia pedido à tutela um regime de exceção para os trabalhadores da INCM mas, “até agora, a resposta foi sempre negativa”. Questionado sobre a possibilidade dos funcionários virem a avançar com novas formas de luta, Navalha Garcia indica que “só depois do 1º de maio é que serão agendadas novas datas”.

A Imprensa Nacional Casa da Moeda tem 653 trabalhadores e é responsável pela produção de bens e serviços para o Estado português, como a cunhagem da moeda metálica e a edição de publicações oficiais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Sim, isto é mesmo como na Grécia

Rui Ramos

Não é só em Portugal: também a Grécia festeja um resultado orçamental histórico. O método foi o mesmo: reduzir o Estado a controle, empregos, e favores para amigos, e cortar o resto sem piedade. 

António Costa

Sim, isto é mesmo como na Grécia

Rui Ramos

Não é só em Portugal: também a Grécia festeja um resultado orçamental histórico. O método foi o mesmo: reduzir o Estado a controle, empregos, e favores para amigos, e cortar o resto sem piedade. 

Crónica

Ocasiões de choradeira

Miguel Tamen

O maior serviço que a televisão presta é pelo contrário o de proporcionar a quem nela aparece a falar ocasiões de choradeira: dar azo ao apreço que quem fala sente por si próprio.