Logo Observador
Tech Auto

A8 terá condução autónoma de Nível 3. Falta a lei

115

A Audi parece querer adiantar-se à concorrência, pois prepara já o lançamento do A8, a ser apresentado em Julho, garantindo que o carro integrará o Nível 3 de condução autónoma. Só falta a legislação.

Autor
  • Francisco António

Actualmente na fase final de desenvolvimento e com o lançamento no mercado agendado já para 2017, a próxima geração do navio-almirante da Audi, o A8, anuncia-se com uma certeza: o modelo estará apto para disponibilizar o chamado Nível 3 (de um total de cinco) da condução autónoma. O que, basicamente, significa que poderá conduzir-se, acelerar e travar sozinho, sem requerer a intervalos regulares a intervenção do condutor – desde que exista legislação nos diferentes países que permitam que tal aconteça.

A notícia é avançada pela Automotive News Europe, acrescentando que as alterações à lei, e nomeadamente à Convenção de Viena sobre Trânsito Rodoviário de 1968, estão já a ser debatidas na Alemanha, um dos países que pretende ser o primeiro a colocar a circular nas suas estradas automóveis equipados com os níveis 3 e 4 da condução autónoma.

Segundo refere a mesma publicação, o projecto de alterações encontra-se já na Câmara Alta do Bundestag, o qual poderá vir a aprovar a nova legislação, em questão de semanas. Sendo que o projecto do Governo alemão prevê, entre outros aspectos, que os fabricantes automóveis assinem uma declaração, em conjunto com os clientes, na qual ficam explícitas e acordadas as situações concretas em que o condutor poderá passar a responsabilidade da condução para o automóvel, de forma a que não se criem falsas expectativas.

O elegante Prologue serviu para testar as linhas do novo topo de gama da Audi, com dois anos de antecedência

Ao mesmo tempo, uma caixa negra idêntica à dos aviões e instalada no carro, permitirá gravar todas as situações em que o condutor decida entregar ao automóvel a condução. Para que, em caso de acidente, os investigadores possam facilmente apurar se era o condutor, ou o próprio automóvel, que estava aos comandos.

Denominada “Condução Autónoma Condicionada” pela Sociedade de Engenheiros Automóveis (SAE, na sigla em inglês), a tecnologia de Nível 3 que a Audi pretende instalar no novo A8 funcionará a velocidades abaixo dos 60 km/h, em situações de tráfico congestionado em auto-estradas com separador central. Sendo que, a partir do momento em que o condutor activar o sistema, este entregará a condução ao automóvel e poderá, por exemplo, ler um livro, ver as notícias do dia no seu tablet ou responder a e-mails. Não podendo apenas, por exemplo, adormecer, uma vez que, perante situações de trânsito particulares e que requeiram a atenção do condutor, o carro não deixará de o alertar e colocar a hipótese deste retomar a condução. Ficando depois à consideração do condutor recuperar, ou não, os comandos.

A Tesla tem o melhor Nível 2 de condução autónoma do mercado e os novos modelos à venda desde Dezembro, já possuem o hardware necessário para atingir o Nível 3 e 4, assim que a legislação o permitir. A Audi pretende passar directamente para o Nível 3, sem chegar a disponibilizar o 2

Recorde-se que propostas que hoje em dia já anunciam capacidades de condução autónoma, como a Tesla e o seu Autopilot, são classificadas apenas de Nível 2, ou “automação parcial”. Desde logo, pelo facto de exigirem que o condutor mantenha permanentemente o olhar na estrada e esteja preparado para, a qualquer momento, retomar a condução.

Mercedes vai com calma

Entretanto, ao mesmo tempo que a Audi acena já com a oferta de uma realidade de condução autónoma quase plena, propostas rivais do A8, como é o caso do Mercedes Classe S, deverá chegar ao mercado, também este ano, naquele que é o seu mais recente restytling, mas ainda sem condução autónoma de Nível 3.

De novo a referência. Renovado Classe S em Julho

“Na nossa opinião, a tecnologia não está ainda num nível em que possamos passar a responsabilidade da condução para o veículo”, comentou o chefe de Desenvolvimento da Daimler, Ola Kallenius, durante o último Salão Automóvel de Genebra.

De acordo com o mesmo responsável, o Classe S renovado contará com “um extremamente sofisticado sistema de condução autónoma de Nível 2”, o qual, segundo anunciou já também a Daimler, permitirá ao próprio carro “acelerar e desacelerar, mesmo quando em vias que não auto-estradas”. Isto, além de conseguir mudar autonomamente de faixa, como acontece com o novo Classe E.

Recorde-se que a Daimler já possui uma parceria com a Bosch no sentido de desenvolverem em conjunto a próxima tecnologia de Nível 4, ou até mesmo Nível 5, para aplicação nos automóveis da Mercedes-Benz. E, muito provavelmente, também da Smart.

BMW prevê Nível 3… para 2021

Mas se a Audi parece acelerar a fundo, enquanto a Mercedes-Benz prefere optar por colocar algum travão, já a BMW, outra das marcas premium alemãs, responde com o pé nos dois pedais: embora garantindo estar pronta para disponibilizar tecnologia de condução autónoma tanto de Nível 4 como de Nível 5, pelo menos para já, a opção passa por comercializar não mais que Nível 3, e apenas no modelo de produção que resultará do protótipo iNext. Cuja chegada ao mercado só deverá acontecer em… 2021.

Apesar desta espécie de contenção, um dos vice-presidentes sénior da BMW, Elmar Frickenstein, também garantiu, em declarações ao Automobilwoche, que a decisão quanto ao nível de condução a aplicar não está, no entanto, ainda totalmente tomada.

No último Salão Automóvel de Genebra, o CEO da BMW, Harald Krueger, anunciou que o fabricante tinha decidido passar directamente o Nível 2 para o Nível 4 da Condução Autónoma. Tal como, aliás, outros construtores automóveis, como a Ford a ou a Volvo, estariam, de resto, a ponderar fazer. “Desta forma, aprende-se com os resultados, o que funciona e quais os melhoramentos necessários”, afirmou.

Importa recordar que o Nível 4 da Condução Autónoma é descrito pela SAE como “automação elevada”, já que o carro assume grande parte das funções de condução, ainda que o condutor possa tomar o controlo dos acontecimentos, a qualquer momento. Já no Nível 5, ou de “automação completa”, o veículo dispensa a presença de um volante, uma vez que está capacitado para cumprir todas as funções relativas ao acto de conduzir, sem qualquer intervenção do condutor.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt