Cabo Verde

Dois anos após as erupções vulcânicas, haverá um Plano de Emergência para a ilha do Fogo, em Cabo-Verde

Ulisses Correia e Silva apresentou um Plano de Emergência para a localidade de Chã das Caldeiras, na ilha do Fogo, em Cabo-Verde, dois anos depois das erupções vulcânicas.

João Relvas/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A localidade de Chã das Caldeiras, na ilha cabo-verdiana do Fogo, vai ter um Plano de Emergência, cujo ordenamento prevê a construção de mais 50 casas e limita o máximo de mil pessoas a viver na cratera do vulcão.

A proposta do plano foi apresentada na terça-feira, em São Filipe, pelo primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, mais de dois anos após o fim da erupção vulcânica na ilha do Fogo, que desalojou cerca de 1.500 pessoas de duas localidades próximas.

Com previsão para ser implementado dentro de seis meses, o plano prevê ainda a construção de outras infraestruturas, como escolas, jardins infantis, posto policial, delegação municipal, bem como o edifício da sede do Parque Natural, que também foi destruído pelas lavas. Além da área para novas construções, o plano define ainda espaços para prática de agricultura, rede viária, entre outras informações úteis para o ordenamento de Chã das Caldeiras, que fica a cerca de dois mil metros de altitude e com o único vulcão ativo do arquipélago.

“Estamos fortemente empenhados em dar respostas estruturantes à situação de Chã das Caldeiras, para passarmos de uma situação de emergência para o desenvolvimento”, disse Ulisses Correia e Silva, citado pela Inforpress.

O plano de emergência para Chã das Caldeiras foi elaborado por uma equipa multidisciplinar de várias instituições cabo-verdianas, em parceria com técnicos das Canárias.

O documento vai estar em consulta pública até 15 de maio nos Paços do Concelho de Santa Catarina do Fogo e no Ministério das Infraestruturas, na cidade da Praia, para recolha de subsídios.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

O futuro do trabalho

Inês Santos Silva

Já há bots a resolver multas de trânsito, algoritmos a escolher tratamentos para cancro ou a selecionar profissionais. Próximas décadas serão desafiantes, mas há dois vetores a precisar de trabalho.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site