Logo Observador
Passadeira Vermelha

Time 100, a gala elegante dos mais influentes

A gala anual da revista Time voltou a Nova Iorque esta terça-feira para celebrar as 100 personalidades mais influentes do ano. Da política às artes, a elegância foi homenageada na passadeira vermelha.

A cidade de Nova Iorque recebeu esta terça-feira à noite a famosa gala Time 100 e reuniu modelos, estrelas, atores e cantores para celebrar as 100 personalidades mais influentes do ano. A lista, divulgada dia 20 de abril, destacou nomes como Emma Stone e Ed Sheeran nos artistas, Chance the Rapper nos pioneiros, Theresa May nos líderes, LeBron James nos titãs e Raf Simons nos ícones. Da política às artes, passando pelo desporto e media, o Lincon Center prestou homenagens dentro e fora da passadeira vermelha.

A atriz Blake Lively marcou presença na cerimónia para apoiar o marido Ryan Reynolds. (foto: Getty Images)

A it girl Blake Lively marcou presença no evento ao lado do marido (e homenageado) Ryan Reynolds. Na falta de um prémio, a atriz roubou as atenções num vestido repleto de flores bordadas, assinada pela casa Marchesa. Viola Davis, uma das atrizes celebradas na noite de gala, desfilou com grande elegância num Armani real. Já a cantora Demi Lovato foi aplaudida num vestido azul com decote e racha acentuada. O culminar da elegância vestiu-se nas escolhas tradicionais de Sarah Paulson e John Legend, em tons de preto e branco.

Leslie Jones, Margot Robbie, Naomi Campbell e Lindsey Vonn foram outros dos nomes que marcaram presença na gala dos mais influentes. Em fotogaleria, reunimos os mais bem vestidos (e influentes) da noite.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssilva@observador.pt
Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

Crónica

Um certo tempo

Miguel Tamen

O que é dizer uma coisa? Se eu contei um segredo a mim próprio não posso ser acusado de bisbilhotice ou de traição: não disse nada.