Logo Observador
Lojas

Dos chinelos aos ténis, 3 novas lojas em Lisboa

145

Da maior Havaianas da Europa (onde é sempre verão) à primeira Antony Morato da capital, com ténis exclusivos Kicks nos pés, há três novos espaços em Lisboa que merecem uma vista de olhos.

A marca de chinelo no pé (também conhecida por Havaianas) abriu a maior loja da Europa no centro de Lisboa.

Havaianas (Divulgação)

Autor
  • Sílvia Silva

Kicks

Amoreiras Shopping, Avenida Engenheiro Duarte Pacheco (Amoreiras). De segunda a domingo das 10h às 23h.

Diga olá à Kicks porque a marca de ténis — ou melhor, kicks — inaugurou oficialmente a primeira loja na capital. O Amoreiras Shopping Center foi o local escolhido por Miguel Guedes e José Vieira. Os fundadores (e amigos) criaram a marca para preencher uma lacuna de modelos tendência de ténis nos pés dos portugueses. O sonho concretizou-se em novembro de 2014 com a abertura da primeira loja no Porto, no Centro Comercial Parque Nascente. “Acreditamos que este segmento de ténis de moda estava com uma lacuna no mercado português”, diz José Vieira ao Observador na inauguração da loja.

Nas lojas físicas da Kicks pode encontrar modelos exclusivos de marcas como New Balance, ASICS Tiger e Diadora. (foto: Divulgação)

“Trabalhamos em multinacionais desta área e sempre pensámos em criar algo que pudéssemos comandar de raiz”, explica Miguel Guedes. No currículo têm ainda experiência em marcas de desporto como a japonesa Asics. Em três anos de negócio, já contam com oito lojas físicas e procuram, em breve, ser uma referência na indústria do desporto com modelos exclusivos de marcas como a famosa New Balance, ASICS Tiger e Diadora. “Tínhamos previsto um plano de internacionalização em 2020 mas talvez seja necessário antecipá-lo. No entanto, a prioridade atual é ir ao encontro das expectativas dos clientes”, adiantam os sócios.

Antony Morato

Almada Forum, Estrada do Caminho Municipal (Almada). De segunda a domingo das 10h à 00h.

À terceira é de vez. Pelo menos para a Antony Morato, que abriu a terceira loja da casa masculina italiana no Almada Forum, em Lisboa. A primeira da capital que presta uma homenagem às roupas modernas e materiais de qualidade aos quais a marca já habituou os seus clientes fiéis. A decoração, essa, é inspirada no design industrial com móveis de metal e paredes de cimento. Os vidros espelhados refletem a inspiração futurista das três coleções da marca: black, gold e silver. O objetivo? Reforçar o posicionamento que a Antony Morato tem em Portugal.

A marca italiana inaugurou oficialmente a sua primeira loja na área de Lisboa, no início de abril. (foto: Divugalção)

Havaianas

Rua Garrett, 27 (Chiado). De segundo a sábado das 10h às 20h e domingo das 12h às 20h.

Se passar pela Rua Garrett, em Lisboa, e cheirar a verão, não estranhe. A Havaianas abriu este mês a maior flagship store da Europa na mesma rua onde habitava desde 2013. A nova loja — com quase 200 metros quadrados — tem dois pisos e mais oferta desde chinelos, sandálias, alpargatas, mochilas, porta-chaves e toalhas de banho. As novidades? Óculos de sol e uma linha têxtil da marca para entrar na nova estação com o pé direito. A decoração “ao jeitinho Havaianas” reflete o espírito brasileiro de chinelo colorido no dedo.

A nova loja ocupa agora o número 27 da Rua Garret, em Lisboa onde estava presente desde 2013 na rua paralela. (foto: Divulgação)

“Com a abertura da nova loja, a Havaianas ganha uma nova dimensão: a marca vai ter a possibilidade de comunicar todo o seu potencial aos consumidores numa das ruas mais na moda da Europa. Além disso representa um investimento importante da marca em Portugal, que vem reforçar o vínculo entre a Havaianas e o público Português” – afirma Guillaume Prou, Presidente da Alpargatas Europa — a matriz da marca Havaianas. Até ao momento, a última conta com mais de 166 pontos de venda na Europa onde no interior é sempre verão.

Na loja está disponível um vasto leque de produtos da marca como chinelos, sandálias, alpargatas e até óculos de sol. (foto: Divulgação)

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus
107

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.