Logo Observador
Família

Quase dois terços dos casamentos em Portugal em 2016 foram pelo civil

Quase dois terços dos casamentos realizados em Portugal em 2016 foram celebrados apenas pelo civil, segundo dados esta quinta feira divulgados pelo INE.

Jose Sena Goulao/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Quase dois terços dos 32.399 casamentos realizados em Portugal em 2016 foram celebrados apenas pelo civil, segundo dados esta quinta feira divulgados pelo INE, que referem ainda que em mais de metade das uniões os noivos já tinham casa comum.

“Em 2016 realizaram-se em Portugal 32.399 casamentos, valor idêntico ao de 2015 (32.393), ano em se interrompeu o decréscimo do número de casamentos verificado em anos anteriores”, referem as “Estatísticas Vitais” do Instituto Nacional de Estatística.

Dos casamentos celebrados em 2016 em Portugal, 31.977 realizaram-se entre pessoas de sexo oposto e 422 entre pessoas do mesmo sexo, mais 72 face ao ano anterior. Do total dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo, 249 foram entre homens e 173 entre mulheres (223 e 127, respetivamente, em 2015).

Relativamente aos casamentos entre pessoas de sexo oposto, o INE indica que 11.274 (35,3%) foram celebrados pelo rito católico, 20.543 (64,2%) foram realizados só na forma civil.

A proporção de casamentos apenas civis (64,2%) aumentou 0,7 pontos percentuais (p.p.) relativamente ao ano anterior e 6,4 pontos percentuais (p.p.) face face a 2010, enquanto a proporção de casamentos católicos (35,3%) reduziu-se em 0,7 p.p. face ao ano anterior e 6,8 p.p. relativamente a 2010.

Houve ainda 160 (0,5%) casamentos celebrados segundo outras formas religiosas, refere o INE, lembrando que o casamento celebrado sob forma religiosa perante um ministro de culto de uma igreja ou comunidade religiosa radicada em Portugal passou, a partir de 2007, a produzir efeitos civis, à semelhança do casamento católico.

Portugal registou também, em 2016, 46.274 dissoluções de casamento por morte do cônjuge, de que resultaram 13.331 viúvos e 32.943 viúvas. Segundo o INE, “a dissolução do casamento por morte do cônjuge afeta sobretudo as mulheres devido à sobre mortalidade masculina”. No período de 2010 a 2016, o ano de 2010 foi o que registou o maior número de casamentos dissolvidos por morte (46.988).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
205

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Família

O stress das férias

Laurinda Alves
994

Há clássicos eternos que podem ser evitados ou, pelo menos, minimizados se as prioridades forem bem geridas em férias. Nomeadamente se formos capazes de desligar telemóveis e computadores.

Família

Certificado de desordem (primeira crónica estival)

Maria João Avillez
1.593

Fui-me apercebendo que, se não me lembro de os meus pais se terem “ocupado” desta forma dos meus filhos, foi simplesmente porque não era, como hoje é, (quase) urgente fazê-lo. Era-se avó doutra forma.