Logo Observador
Venezuela

Oito governos latino-americanos juntam-se ao pedido do papa para evitar mais violência na Venezuela

Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Peru, Paraguai e Uruguai juntaram-se ao pedido do papa Francisco para evitar mais violência na Venezuela e respeitar os direitos humanos no país.

O papa Francisco apelou ao Governo e à sociedade da Venezuela para que se evitem novas "formas de violências"

MIGUEL GUTIERREZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Peru, Paraguai e Uruguai juntaram-se ao pedido do papa Francisco para evitar mais violência na Venezuela, procurar “soluções negociadas”, e respeitar os direitos humanos no país em “grave crise humanitária”.

“Como observado pelo sumo pontífice, é essencial ter ‘condições muito claras’ para uma solução negociada para a crise política, económica e humanitária naquele país irmão”, indica um comunicado conjunto divulgado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da Colômbia.

Os oito governos também reiteram o pedido “para o fim da violência, o pleno respeito do Estado de Direito, a libertação dos presos políticos, a plena restituição das prerrogativas da Assembleia Nacional, e a definição de um cronograma eleitoral”.

O papa Francisco apelou no domingo ao Governo e à sociedade da Venezuela para que se evitem novas “formas de violências” e se respeitem os direitos humanos no país.

O papa pediu também que se “encontrem soluções” para a “grave crise humanitária, social, política e económica que está a afetar a população” da Venezuela.

Francisco fez estas declarações antes da oração de ‘Regina Coeli’, na praça de São Pedro, em Roma, perante milhares de fiéis a quem afirmou: “Não deixam de chegar notícias dramáticas sobre a situação na Venezuela, com numerosos mortos, feridos e detidos”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.