Logo Observador
Venezuela

Estados Unidos acusam Nicolás Maduro de “mudar as regras do jogo”

Os Estados Unidos acusaram esta terça-feira o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, de "mudar as regras do jogo" ao convocar uma Assembleia Constituinte.

MIGUEL GUTIERREZ/EPA

Durante uma conferência de imprensa na Casa Branca, cuja transcrição foi publicada no site do Departamento de Estado, o sub-secretário adjunto dos Estados Unidos para o Hemisfério Ocidental, Michael Fitzpatrick, sublinhou que o país está preocupado com a convocatória a uma Assembleia Constituinte na Venezuela.

Estamos profundamente preocupados com os motivos para esta Assembleia Constituinte, que ignora a vontade do povo venezuelano e corrói ainda mais a democracia venezuelana. Trata-se de esforços do Governo venezuelano para impedir a realização de eleições e para usurpar a autoridade da assembleia nacional venezuelana”, afirmou.

Mas Fitzpatrick foi ainda mais longe nas críticas a Maduro: “O que o Presidente [da Venezuela] está a tentar fazer novamente é mudar as regras do jogo. Sabe que está a perder poder e procura manipular as coisas, reescrever as regras, de modo a assegurar o acesso continuado ao poder, privilégios e proteções, para si e os seus amigos”.

Por outro lado, o sub-secretário adjunto dos Estados Unidos para o Hemisfério Ocidental explicou que as ações anunciadas pelo Presidente da Venezuela poderão dar motivo para considerar a aplicação de novas sanções contra funcionários do Governo de Caracas.

“Uma das primeiras coisas que estamos a fazer, diplomaticamente, é consultar com todos os nosso vizinhos e parceiros da região — devido ao facto de o problema da Venezuela não ser com os Estados Unidos. Com toda a franqueza, o regime tem problemas com o seu próprio povo. Os EUA trabalharão em estreito contacto com outras nações para desenvolver um enfoque regional holístico, em resposta ao que o Governo de Nicolás Maduro está a fazer”.

Na segunda-feira, Nicolás Maduro convocou os venezuelanos para elegerem uma Assembleia Nacional Constituinte cidadã, para, justificou, preservar a paz e a estabilidade da República, incluir um novo sistema económico, segurança, diplomacia e identidade cultural. Segundo Maduro, como parte das suas “atribuições constitucionais” está a reforma do Estado venezuelano, modificar a ordem jurídica, permitindo a convocatória redigir uma nova Constituição.

As marchas a favor e contra o Presidente venezuelano intensificaram-se há um mês e, segundo dados oficiais, 28 pessoas morreram. Fontes não oficiais elevam para 34 o número de mortos em manifestações, nas quais mais de 500 pessoas ficaram feridas e mais de 1.300 foram detidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.