Logo Observador
Kate Middleton

Seis pessoas julgadas por fotografias tiradas a Kate Middleton em topless

Seis pessoas vão esta terça feira a julgamento depois de terem publicado fotografias de Kate Middleton em topless. O caso remonta a 2012, quando uma revista francesa as publicou.

Ao todo estão seis pessoas envolvidas no caso. O casal britânico não está previsto comparecer à sessão.

Getty Images

Seis pessoas vão esta terça feira a julgamento depois de terem publicado fotografias de Kate em topless. O caso remonta a 2012, quando uma revista francesa as publicou. O escândalo instalou-se em Inglaterra depois de a Duquesa de Cambridge ter sido fotografada com o marido William durante umas férias em Provença. A revista francesa Closer fotografou o casal e acompanhou com a legenda: “Kate e William, as suas férias muito quentes em Provença”.

Na altura, o site da Closer mostrava uma imagem pixelada de uma mulher com cabelo negro, em biquini, aparentemente a remover a parte de cima e que, indicava a publicação, dizia pertencer à Duquesa. A revista sempre se recusou a revelar a identidade do fotógrafo que captou o momento. A imagem foi posteriormente removida do site.

O casal real desde logo se mostrou desrespeitado com o caso. Ambos argumentaram que as fotografias traziam à memória a mãe de William, Diana, quando esta foi morta numa perseguição automóvel por paparazzis. Para além disto, também a ética da imprensa foi mencionada.

As autoridades francesas proibiram a reprodução de tais fotografias até estar concluído o inquérito de como estas teria sido obtidas. Os jornais ingleses rejeitaram, no entanto, qualquer compra dessas imagens. Não obstante, alguma imprensa europeia chegou a divulgar essas fotografias. Ao todo estão seis pessoas envolvidas no caso. O casal britânico não está previsto comparecer à sessão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Desterritorialização e extra-territorialidade

António Covas

Nesta batalha já longa entre o mercado global e a democracia doméstica, a desterritorialização e a extra-territorialidade convertem-se nos principais adversários do velho Estado-nação vestefaliano.