Logo Observador
Caso José Sócrates

Sócrates diz que há um “departamento estatal de caça ao homem”

1.270

Em mais um artigo de opinião no "Diário de Notícias", José Sócrates critica que a acusação tenha sido "adiada pela sexta vez" e diz que não existe uma investigação, mas uma "perseguição a um alvo".

O ex-primeiro-ministro José Sócrates critica o Ministério Público pelo que diz ter sido o “sexto adiamento” da acusação da Operação Marquês. Na opinião de Sócrates, fala-se em “especial complexidade” porque, tal como “é de especial complexidade provar que a Terra é plana”, “é impossível provar o que nunca aconteceu“. Em mais um artigo de opinião publicado no Diário de Notícias, o ex-líder socialista diz que o Ministério Público se transformou num “departamento estatal de caça ao homem” e critica o desrespeito “conveniente” por todos os prazos para avançar com esta “formidável campanha de difamação“.

Esta “nunca foi uma investigação a um crime, mas a perseguição a um alvo”, acusa José Sócrates, defendendo que mesmo num caso de “especial complexidade”, teria de haver acusação ao fim de 18 meses. “O Processo Marquês dura há 45 meses e acaba de ser adiado pela sexta vez”, insurge-se Sócrates.

Neste processo, o Ministério Público exibiu despudoradamente uma das especialidades que vem cultivando há décadas: promover covardemente – e criminosamente – campanhas de difamação nos jornais, por forma a transformar a presunção de inocência em presunção pública de culpabilidade. Não haver prazo nenhum ajuda a tal tarefa.

A Procuradora Geral da República indicou que até julho deverá encerrar-se o inquérito mas preferiu não se comprometer com a data, definindo um novo critério: a data de encerramento do processo fica dependente da chegada da última carta rogatória.

PGR não se compromete com data para concluir Operação Marquês

Sócrates tem outra leitura e fala numa usurpação de poder por parte do Ministério Público. “Ao pretender que no inquérito penal não haja, na prática, prazos obrigatórios, o Ministério Público não está a interpretar a lei mas a mudar a lei. Acontece que essa é uma competência da Assembleia da República, não é dos senhores procuradores: esse poder não é legítimo, é usurpado”, acusa o ex-líder do Partido Socialista.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt