Logo Observador
Venezuela

Marcelo atento mas sem comentários sobre situação na Venezuela e protestos sobre CGD em Almeida

Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu estar atento à situação política na Venezuela mas escusou-se a comentá-la, bem como os protestos sobre a Caixa Geral de Depósitos em Almeida.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu esta quinta-feira estar atento à situação política na Venezuela mas escusou-se a comentá-la, bem como os protestos sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Almeida.

Sobre a instabilidade política que se vive na Venezuela, o chefe de Estado declarou aos jornalistas estar a “acompanhar atentamente” a situação, mas ressalvou: “Tenho feito questão de não me pronunciar sobre essa matéria”.

Falando à margem de uma visita à Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa advogou que há naquele país sul-americano uma “comunidade portuguesa próxima dos acontecimentos”, e portanto “é prudente que nenhuma autoridade portuguesa faça qualquer comentário sobre o que se passa na Venezuela”.

Instado pelos jornalistas a comentar os protestos em Almeida, no distrito da Guarda, sobre o encerramento de um balcão da CGD, o Presidente da República seguiu também esse sentido.

“Neste momento não me queria pronunciar sobre essa matéria”, vincou, assinalando não ter “elementos” para se pronunciar sobre a matéria. Marcelo assegurou também não ter recebido qualquer pedido formal de audição sobre o caso.

Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta tarde na Biblioteca Nacional, onde destacou o lançamento da obra “Cantigas medievais galego-portuguesas: corpus integral profano”, coordenada por Graça Videira Lopes, tendo também tido contacto com alguns dos exemplares mais antigos e emblemáticos que a referida biblioteca conserva.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.