Ciência

Quer viver para lá dos cem anos? Quatro irmãos centenários podem guardar o segredo da longevidade

Quatro irmãos que viveram para lá dos cem anos são a base de um estudo que pretende descobrir o segredo da longevidade.

Barzilai coordena o projeto sobre genética de longevidade, um estudo que pretende estudar o material genético de cerca de 670 pessoas que viveram para lá dos 100 anos

PAULO NOVAIS/LUSA

Quatro irmãos que viveram para lá dos cem anos são a base de um estudo que pretende descobrir o segredo da longevidade.

Os irmãos Kahn são um caso fascinante para os especialistas de genética e investigadores focados no envelhecimento. Todos passaram os cem anos e sem grandes preocupações de saúde. Helen, por exemplo, fumou durante 95 anos e foi saudável até morrer, poucas semanas antes de completar 110 anos.

Já o seu irmão Irving, que começou a trabalhar na Bolsa de Nova Iorque antes do crash de 1929, morreu em 2015 com 109 anos. Pedro e Lee Kahn morreram com 103 e 101 anos de idade, respetivamente.

Os irmãos Kahn mostram que temos a capacidade, enquanto espécie, de viver até aos 110 anos de forma saudável. Os quatro foram saudáveis até ao final de sua vida. E também mostram que há um fator genético”, diz Nir Barzilai, diretor do Instituto de Pesquisa sobre o Envelhecimento da Escola de Medicina Albert Einstein, em Nova Iorque.

Barzilai coordena o projeto sobre genética de longevidade, um estudo que pretende avaliar o material genético de cerca de 670 pessoas que viveram para lá dos 100 anos. Todos são judeus asquenazes. O trabalho começou em 1998 e a maioria dos estudados – como os irmãos Kahn – já morreram.

“60% dos homens [do nosso estudo] e 30% das mulheres fumaram por um longo período de tempo. Quase 50% foram obesos durante a sua vida e menos do que 50% fazia exercício. Eles não faziam nada saudável. Têm genes que os protegem. E temos de os encontrar “, explicou Barzilai, no Congresso Interdisciplinar de Genética Humana.

Barzilei e a sua equipa já chegaram a várias conclusões. Por exemplo, há uma clara relação entre as hormonas de crescimento e a longevidade: pessoas mais baixas vivem mais tempo “e é mais comum nas mulheres”, garante. O medicamento metformina, usado em doentes com diabetes tipo 2 e colesterol, está relacionado com um aumento da esperança média de vida nos indivíduos estudados. A equipa de Barzilai quer testar a administração de metformina em novas terapias de combate ao envelhecimento.

Os testes clínicos em pessoas vão custar cerca de 70 milhões de dólares (cerca de 64 milhões de euros) e contar com 3000 pacientes entre os 65 e os 80 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ciência

Será a natureza politicamente incorrecta?

Isabel Soares
483

Quem tem mais do que 50 anos sabe bem como os costumes e tradições mudaram neste curto período de tempo. Mas foi uma mudança de baixo para cima, não imposta através do Estado, por via administrativa.

Catalunha

Em defesa da honra de Espanha

Iñaki Carrera Y Araujo

O movimento independentista catalão não é democrático e isso ficou bem demonstrado neste referendo que foi aprovado por uma lei que viola a Constituição e o próprio Estatuto de Autonomia da Catalunha.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site