Futebol

Usain Bolt quer jogar futebol ao mais alto nível e ser um dos 50 melhores do mundo

A lenda jamaicana da velocidade pura, Usain Bolt, reiterou, numa entrevista à revista So Foot, o desejo de jogar futebol ao mais alto nível e integrar o 'top 50' mundial.

SEBASTIEN NOGIER/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A lenda jamaicana da velocidade pura, Usain Bolt, que irá retirar-se no final da temporada, reiterou, numa entrevista à revista So Foot, o desejo de jogar futebol ao mais alto nível e integrar o ‘top 50’ mundial.

O oito vezes campeão olímpico, que recentemente afirmou estar ao nível, futebolisticamente falando, de Wayne Rooney, o emblemático capitão do Manchester United, foi mais longe nas suas declarações à revista mensal francesa.

Wayne Rooney é um grande jogador de futebol (…), mas não é Cristiano Ronaldo, Messi ou Neymar. Não está entre os melhores dos melhores, mas coloco-o entre os 50 melhores futebolistas do mundo da atualidade. Tenho a ambição de entrar no ‘top 50’, se tiver a oportunidade de jogar regularmente. Se isso acontecer, marcarei, pelo menos, 20 golos por época”, disse Usain Bolt.

O velocista jamaicano espera que surja essa oportunidade de jogar futebol ao mais alto nível: “Eu amo o futebol e poder jogar é algo que está na minha mente há muito tempo. Nos últimos meses tenho falado com vários clubes, mas não se chegou a nada de concreto. Vamos esperar para ver o que acontece”.

Bolt diz-se mesmo pronto a corresponder à convocação de Theodore Whitemore, selecionador interino de futebol da Jamaica, e a participar num Mundial de futebol. “Se essa competição fosse este ano, eu teria de sacrificar o Mundial de atletismo. Sabem que mais? Seria o momento. Preciso de me lançar no futebol, que é um desporto muito exigente fisicamente, e eu já não sou um jovem. Mesmo assim, penso que poderei jogar durante, pelo menos, quatro anos”, disse Usain Bolt, que partilha com o Borússia Dortmund o mesmo patrocinador, a Puma.

É precisamente no clube alemão que Bolt irá fazer testes em setembro próximo durante três ou quatro dias: “Verei nessa altura se sou tão bom como penso e o que é possível perspetivar nessa altura em relação a um futuro próximo ligado ao futebol”.

Mesmo que venha a falhar a entrada num grande clube, Bolt não descarta jogar numa equipa menos cotada e não fechou a porta à possibilidade de alinhar por uma formação da II Liga francesa quando confrontado com a mesma. “Por que não? Fá-lo-ia, pois preciso de provar a mim mesmo de que sou capaz. Terei de começar em algum lado, mas não irei para uma equipa medíocre, hein!… Não preciso de jogar futebol só por jogar, preciso de uma equipa ambiciosa”, rematou Bolt.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Primeiro-Ministro

António Costa: o eterno número dois

João Marques de Almeida

Costa está a substituir o líder porque não há outro e porque Sócrates não pode liderar o PS. O PS socrático não tem hoje alternativa. Mas eles sabem que o PM não é o verdadeiro líder do seu partido.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site