Logo Observador
Polónia

Milhares de pessoas marcham em Varsóvia em protesto contra o Governo nacionalista

Milhares de pessoas que foram convocadas pela oposição na Polónia tomaram o centro da capital em protesto contra o Governo nacionalista conservador, para exigir um país "livre e europeu".

Cerca de 50 mil pessoas encheram o centro da cidade, respondendo ao apelo do partido de centro direita Plataforma Cidadã

RADEK PIETRUSZKA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Milhares de pessoas que foram convocadas pela maior força da oposição na Polónia tomaram este sábado o centro da capital em protesto contra o Governo nacionalista conservador, para exigir um país “livre e europeu”. De acordo com a autarquia de Varsóvia, cerca de 50 mil pessoas encheram o centro da cidade, respondendo ao apelo do partido de centro direita Plataforma Cidadã, mas as estimativas da polícia apontam para uma adesão inferior, de apenas nove mil pessoas.

“Protestamos porque o Governo quer afastar-nos da Europa e os polacos são totalmente europeus. Protestamos porque este Governo não respeita os valores europeus, não respeita os tratados europeus e não respeita as liberdades pessoais”, afirmou à Efe o presidente do Comité da Defesa da Democracia (KOD), Mateusz Kijowski.

O KOD é um movimento cívico criado depois da vitória eleitoral em 2015 do partido ultraconservador e nacionalista Lei e Justiça (PiS) e foi uma das organizações que participou na marcha da oposição, representada pela Plataforma Cidadã, por membros da força liberal Nowoczesna e pelo Partido Camponês.

Entre as várias forças da oposição, só o Movimento Kukiz 15, a terceira maior, é que se desmarcou da convocatória da Plataforma Cidadã e não se juntou ao protesto. A “Marcha da Liberdade” ocupou o centro da capital polaca para exigir ao executivo mais Europa e que respeite as liberdades e o Estado de Direito, que os organizadores da iniciativa consideram estarem ameaçados pelas políticas do Lei e Justiça.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Polónia

‘Nós queremos Deus!’

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.024

A Igreja católica foi a única instituição que apoiou e defendeu os polacos no seu processo de libertação do comunismo.