Logo Observador
Procriação Medicamente Assistida

Parecer diz que duas mulheres podem ser mães biológicas do mesmo filho

213

Um parecer do Conselho Nacional de Procriação Médica Assistida diz que duas mulheres podem ser mães biológicas do mesmo filho, através da partilha biológica da maternidade, revela o jornal Público.

Getty Images

Duas mulheres podem ter um filho por via da partilha biológica de maternidade, decidiu o Conselho Nacional de Procriação Médica Assistida (CMPMA). O parecer do CMPMA foi divulgado esta semana, e segundo afirmou o presidente deste organismo ao jornal Público, é uma decisão inovadora que abre ao porta a outros casos de casais de mulheres que queiram partilhar a maternidade. Na RTP, o magistrado acrescenta que essa condição, de duas mães biológicas, ficará registada no cartão de cidadão. O parecer do CMPMA é vinculativo.

Eurico Reis explica que a partilha biológica da maternidade permite às duas mulheres de um casal que pretenda recorrer às técnicas de procriação médica assistida darem o seu contributo biológico para a conceção do bebé. Esta possibilidade é concretizada transferindo os ovócitos de uma das parceiras, já depois da inseminados com espermatozóides de um dador, para o útero da segunda mulher onde será feita a gestação. Um teste de ADN feito a uma criança concebida desta forma mostrará que é filha de duas mulheres, da que deu o óvulo inseminado e da que o recebeu no seu útero, afirma ainda Eurico Reis.

Do ponto de vista legal, o parecer dá sustentação a um projeto de maternidade biologicamente partilhada por duas mulheres, utilizando a fertilização recíproca ,acrescenta ainda o presidente do CMPMA. O quadro legal assegura a possibilidade de todos os casais e mulheres recorrem à Procriação Médica Assistida, mesmo quando não há situações de infertilidade. O parecer sublinha igualmente que perante a lei nº 25/2016, a fertilização recíproca não está equiparada à gestação de substituição, mais conhecida por barriga de aluguer, em que a mulher responsável pela gestação entrega a criança após o parto a terceiros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Governo

Estado de calamidade

Manuel Villaverde Cabral
207

Continua tudo como dantes: o país está entregue ao clientelismo governamental, dependente do crescimento externo e condenado à dívida. Esta é que é a calamidade que explica as outras calamidades.

Incêndios

Eu vivi um fogo. E vi quem são os heróis

Fernando Leal da Costa

Foi então que os vi. Os populares, como se lhes chama tantas vezes, montados em tratores e pick-ups equipados com depósitos e mangueiras. Chegam e, sem medo, atiram-se ao monstro que crepita fagulhas.