Papa em Fátima

Aliança Evangélica recusa “aparições”, mas vai apoiar peregrinos

719

A Aliança Evangélica Portuguesa vai estar com uma “forte equipa” a apoiar os peregrinos que vão para Fátima. A equipa pretende responder às necessidades dos fiéis.

As equipas serão constituídas por centenas de pessoas, em especial jovens, que vão organizar-se no terreno para dar apoio nos caminhos.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa

A Aliança Evangélica Portuguesa vai estar com uma “forte equipa” a apoiar os peregrinos que vão para Fátima, apesar de recusar as “aparições”, porque percebeu “a existência de uma necessidade e a convicção em relação ao divino”.

Em entrevista à agência Lusa, a propósito da visita a Portugal do papa Francisco, nos dias 12 e 13 de maio, o presidente da Aliança Evangélica Portuguesa revelou que vão ter uma “forte equipa”, constituída por centenas de pessoas, em particular jovens, a apoiar as pessoas que vão em peregrinação para Fátima.

As pessoas que se dirigem até Fátima nestes dias merecem-nos muita consideração. Percebemos que existe ali uma necessidade e uma convicção em relação ao divino, em relação ao espiritual e nós queremos de alguma forma ser participantes e acabamos por ser”, adiantou António Calaim.

Segundo o responsável, essa “forte equipa” vai estar a “compartilhar com as pessoas que se dirigem até Fátima, apoiando-as nas suas necessidades, sejam físicas, emocionais ou até espirituais”. As equipas serão constituídas por centenas de pessoas, em especial jovens, que “estão a vir para Portugal de vários países da Europa e de outros continentes”, que vão organizar-se no terreno para dar apoio nos caminhos.

António Calaim garantiu que o objetivo dessas equipas não é vender ideais, já que os evangélicos negam em absoluto que as “aparições” tenham ocorrido, tal como recusam o culto a Maria, “mas para dar um abraço e partilhar a palavra de Deus”.

O presidente da Aliança Evangélica Portuguesa explicou, aliás, que a importância da visita do papa Francisco a Portugal se resume ao facto de ser alguém com projeção internacional já que, como evangélicos, não se reveem no motivo da visita, ou seja, o centenário das “aparições” de Fátima.

Como evangélicos, recusamos terminantemente essas aparições como sendo de facto. Achamos que há muitas razões para o que pode ter acontecido, a interpretação e a reação que houve”, adiantou.

No entanto, também diz que é inegável as “centenas de milhares ou milhões de pessoas que se deslocam a Fátima (…) com profundos sentimentos e profundas convicções em relação àquilo que aconteceu”.

Relativamente ao papa Francisco, descreve-o como alguém por quem a Aliança Evangélica tem simpatia, tal como “ele tem por tantos cristãos evangélicos”, mas que continua a promover práticas com as quais os evangélicos não concordam, como “a mariolatria, o culto aos santos, às imagens e até mesmo a chefia da igreja na terra por um homem”.

Francisco será o quarto papa a visitar Fátima, a 12 e 13 de maio, para canonizar os dois pastorinhos Jacinta e Francisco no centenário das “aparições” na Cova da Iria, em 1917. O papa tem agendados encontros com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a 12 de maio, e com o primeiro-ministro, António Costa, no dia 13. Os anteriores papas a estar em Fátima foram Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991, 2000) e Bento XVI (2010).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos
904

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

Papa em Fátima

«Temos Mãe!»

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
700

É natural que os pais se alegrem com os êxitos dos seus filhos, mas não é comum que assumam as suas culpas quando sofrem a tristeza de um filho os ferir com a indignidade de um comportamento criminoso

Felicidade

Portugal

Paulo Tunhas

Acaso Fátima, o Benfica e o “Amar pelos dois” nos vão mudar, para melhor ou para pior, colectivamente, a vida? É claro que não. E pretender o contrário é pura e simplesmente falso.

Global Shapers

O futuro do trabalho

Inês Santos Silva

Já há bots a resolver multas de trânsito, algoritmos a escolher tratamentos para cancro ou a selecionar profissionais. Próximas décadas serão desafiantes, mas há dois vetores a precisar de trabalho.

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Eleições na Alemanha

Tenham medo, tenham muito medo

Paulo de Almeida Sande

Muitos eleitores do AfD votaram por medo: da invasão dos refugiados; do crescimento das comunidades islâmicas; da diluição da identidade alemã; ou, simplesmente, medo de existir.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site