Logo Observador
Brasil

Cidade brasileira de Manaus decreta emergência devido a imigração de índios da Venezuela

A câmara municipal de Manaus, capital do Estado brasileiro do Amazonas, decretou o estado de emergência social devido à intensa imigração dos indígenas da etnia Warao, da Venezuela.

Marcelo Sayao/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A câmara municipal de Manaus, capital do Estado brasileiro do Amazonas, decretou o estado de emergencial social devido ao intenso processo de imigração dos indígenas da etnia Warao, da Venezuela. Segundo informações divulgadas pelo portal de notícias G1, vários grupos de índios venezuelanos estão acampados sob um viaduto, na Rodoviária de Manaus e em bairros de lata no centro da cidade, fugindo da crise económica e da falta de alimentos no seu país.

As autoridades de Manaus considerou que os índios venezuelanos estão a ser submetidos à situação de risco pessoal e social, em especial crianças, adolescentes e idosos. A chegada destes indígenas ao Brasil já gerou a abertura de um inquérito civil pelo Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas, que está a acompanhar e tratar de medidas de apoio aos Warao.

Apesar de não ser o destino preferencial dos venezuelanos que fogem da crise económica, política e social, o Ministério da Justiça informou no dia 06 de maio que foram registados 8.231 pedidos de refúgio feitos por venezuelanos ao Governo do Brasil. O número é quase o dobro dos pedidos de refúgio registados entre 2010 e 2016, num total de 4.477 solicitações para aquele período.

As manifestações contra e a favor do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, intensificaram-se e têm tornado a situação mais tensa naquele país desde há um mês, com a oposição a reclamar a libertação dos presos políticos, a convocação de eleições gerais, o fim da repressão policial e o cancelamento da Assembleia Constituinte. Em consequência da instabilidade, já morreram 37 pessoas e mais de 600 ficaram feridas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

O que tem Temer a temer?

José Pinto

Resta, por isso, o recurso ao impeachment. Uma exceção que ameaça tornar-se regra no continente americano. Uma decisão que pode obrigar Temer a beber do veneno que ajudou a servir à sua antecessora.

Mundo

T2: Trump e Temer

João Marques de Almeida

Os líderes europeus, apesar da antipatia que sentem contra Trump, estão nervosos com a possibilidade de um impeachment nos Estados Unidos. Sabem que o processo poderia prejudicar a economia europeia.