França

Macron descarta Valls nas suas listas para as legislativas

O presidente eleito de França rejeitou a entrada de Manuel Valls nas listas do seu movimento para as eleições legislativas. Mas não apresenta candidato no círculo eleitoral do ex-primeiro-ministro.

THOMAS SAMSON / POOL/EPA

Emmanuel Macron rejeitou a candidatura de Manuel Valls, ex-primeiro-ministro, para ter um lugar no Parlamento francês. Contudo, a equipa de Macron não irá colocar nenhum obstáculo caso Valls decida tentar renovar o seu mandato como deputado nas eleições de junho. “Não se fecha a porta no nariz de um ex-primeiro-ministro da República”, argumentou o secretário geral da La République en Marche! (LRM), Richard Ferrand, durante a apresentação da lista.

A La République en Marche!, contudo, não apresentou qualquer candidato ao círculo de Manuel Valls, Essonne (sul de Paris), podendo assim Valls candidatar-se de forma independente. Caso esta hipótese seja confirmada, é possível que exista um apoio para a tão desejada maioria presidencial.

Foi esta quinta-feira, em França, que a plataforma política LRM, de Macron, apresentou a lista de 428 candidatos aprovados para a corrida ao Parlamento nas eleições do mês que vem. Apenas 24 desse total se refere a atuais membros do Parlamento, todos do partido socialista do anterior presidente François Holland, sendo que haverá paridade total na lista, metade serão homens e metade mulheres. Mais: 52% dos nomes provêm da sociedade civil, já que um dos objetivos é promover “o regresso definitivo dos cidadãos ao coração da vida política”.

Segundo declarações de Richard Ferrand, o movimento de Emmanuel Macron recebeu 19 mil candidaturas, com 1.700 entrevistas feitas via telefone. A média de idades dos candidatos é 46 anos — bastante inferior à média de 60 dos atuais membros do Parlamento francês. O candidato mais novo tem 24 anos, e o mais velho 72. Diversidade é a palavra-chave na lista de Macron: 10 candidatos são desempregados, alguns reformados e outros até estudantes.

Depois das presidenciais de domingo, as eleições legislativas realizam-se já a 11 e 18 de junho. Mas com apenas 13 meses de existência, o recém-renovado partido de Macron tem uma prova difícil: mostrar que Macron não tem só um mandato presidencial, mas tem também poder no Parlamento para fazer passar o seu programa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site