Logo Observador
Curiosidades Auto

70 milhões em brinquedos. Conheça a garagem de Velocidade Furiosa 8

A mais recente sequela da saga Velocidade Furiosa é um dos maiores êxitos de bilheteira dos últimos tempos, cá e lá fora. Conheça as máquinas infernais que apimentam o filme e arrastam multidões.

Autor
  • António Sousa Pereira

Desde a estreia do filme inaugural, em 2001, a série Velocidade Furiosa, protagonizada pelo malogrado Paul Walker e por Vin Diesel, aos quais se foram juntando ao longo dos anos vários nomes com peso do mundo do cinema como Dwayne Johnson, Jason Statham, Tyrese Gibson, Eva Mendes, Charlize Theron e Lucas Black, terá rendido qualquer coisa como 3.000 milhões de euros. Como se este valor astronómico não bastasse para confirmar a sua popularidade, o recém-estreado oitavo capítulo da saga não fez mais do que reiterar este sucesso, contribuindo para que em Portugal, por exemplo, as idas às salas mais do que tivessem duplicado em Abril último, face ao mesmo mês de 2016.

Há várias explicações para este êxito. Uma das mais óbvias aponta necessariamente para as inúmeras acrobacias que pontificam em cada episódio da saga, executadas pelos melhores especialistas da indústria, ao volante dos mais potentes, velozes e exóticos automóveis, ainda que não falte quem as critique pela sua inverosimilhança. Veja aqui o trailer:

Seja como for, nem mesmo o maior detractor da Velocidade Furiosa conseguirá ficar indiferente ao leque de veículos presente neste último episódio da sequela. Ao seu dispor, a equipa de realização teve uma das garagens (mais propriamente, um imenso armazém) mais valiosas do mundo, avaliada em mais de 70 milhões de euros.

E o que se pode aí encontrar? Uma autêntica ode a modelos exuberantes e potentes, entre veículos clássicos e do mais moderno que existe. E estes são só alguns dos exemplos entre os que possuem quatro rodas: Chevrolet Bel Air de 1956 e Camaro de 1996; vários Corvette de distintas épocas; Ferrari F430 e 458; KTW Crossbow de competição; Lamborghini Gallardo e Murcielago; Maserati GranCabrio; McLaren 650 e 675 LT; Mercedes SLS; Rolls-Royce Wraith; Nissan GT-R de competição; Porsche de todos os tipos; Toyota Supra com motor biturbo.

Junte-se a isto um Lexus de competição avaliado em cerca de 800 mil euros; um protótipo IDS da Nissan, orçado em cerca de 2 milhões de euros; ou exemplares exclusivos e verdadeiramente únicos, como um muito modificado Chrysler Barracuda com capot em fibra de carbono, os diversos ratrod e hotrods (um deles com mais de 1000 cv). Sem esquecer, ainda, os vários Audi, BMW, Lotus e Mercedes, ou propostas para funções mais utilitárias (caso de um Land Rover Defender 110 ou de uma pick-up Ford Raptor) – embora, no meio de tanta máquina infernal, estas até possam parecer coisa de pouca importância.

Se é fã deste tipo de filmes, ou fanático por condução acrobática, não perca o vídeo que faz uma visita guiada à garagem de Velocidade Furiosa 8, onde a somar a tudo o que já descrevemos, ainda é possível descortinar várias motos e barcos a motor de elevada potência. E até um autocarro dotado de todos os mimos capazes de satisfazer até a mais exigente estrela rock.

O resto? Bem, para ver tudo isto em acção, terá de assistir ao filme. Até para também poder encontrar toda aquela parafernália de “automóveis” construídos ou adaptados à medida de cada personagem, caso do Dodge Ice Charger de Dom Toretto, da pick-up Ice Ram utilizada por The Rock (e, como o nome indica, especialmente adaptada para circular sobre gele e neve, qual snowmobile), do Lamborghini Murcielago laranja conduzido no gelo por Roman, ou mesmo do tanque de guerra que é o veículo preferido de Tej, outro dos grandes protagonistas da já célebre cena filmada nos lagos gelados do mar de Barents.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt