Papa em Fátima

Francisco duvida das aparições “à mesma hora” em Medjugorje

O Papa Francisco afirmou que a "mãe de Jesus" não é "chefe de correios, que todos os dias manda uma mensagem à hora certa", numa referência às alegadas aparições mensais de Maria em Medjugorje.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Papa Francisco afirmou este sábado que a “mãe de Jesus” não é “chefe de correios, que todos os dias manda uma mensagem à hora certa”, numa referência às alegadas aparições mensais de Maria em Medjugorje, na Bósnia-Herzegovina.

Sobre as “alegadas aparições atuais, o relatório [do cardeal Ruini] tem as suas dúvidas. Eu pessoalmente sou mais duro, prefiro Nossa Senhora Mãe nossa Mãe, e não Nossa Senhora chefe de correios, que todos os dias manda uma mensagem à hora certa. Esta não é a Mãe de Jesus”, afirmou este sábado o papa aos jornalistas, na viagem de regresso ao Vaticano do santuário de Fátima.

Francisco acrescentou que “estas alegadas aparições não têm tanto valor”, salientando que falava a título pessoal.

“Quem é que pode pensar que Nossa Senhora venha dizer: amanhã, à hora tal, direi uma mensagem a tal vidente? Não!” – disse.

A vila de Medjugorje ficou mundialmente conhecida em 1981, com “aparições” marianas regulares a seis crianças nascidas nos arredores da localidade.

Na ocasião, Nossa Senhora ter-se-á apresentado como “rainha da paz” e, desde então, terá aparecido sucessivas vezes aos seis videntes, um fenómeno que se repete, pelo menos, todos os meses.

A hierarquia católica tem reagido com ceticismo ao fenómeno e chegou mesmo a afastar um dos principais sacerdotes associados ao caso. Nos últimos anos, Roma tem enviado missões para avaliar a legalidade canónica daquelas “aparições” mas, até agora, os resultados não têm sido conclusivos.

O chefe da Igreja Católica salientou que, em relação às “primeiras aparições, quando eram crianças, o relatório, de forma geral, diz que se devem continuar a investigar”.

O Papa salientou ainda que há ali “um acontecimento espiritual, pastoral, que não se pode negar”.

“Pessoas que vão lá e se convertem, que encontram Deus e mudam de vida. Não há ali uma varinha mágica. Este acontecimento espiritual, pastoral, não se pode negar”, considerou.

O Papa recordou que nomeou o polaco Henryk Hoser, “um bispo grande, grande, com experiência, para ver como está a parte pastoral”.

“No final, diremos uma palavra”, explicou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos
904

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

Papa em Fátima

«Temos Mãe!»

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
700

É natural que os pais se alegrem com os êxitos dos seus filhos, mas não é comum que assumam as suas culpas quando sofrem a tristeza de um filho os ferir com a indignidade de um comportamento criminoso

António Costa

Um homem, de facto, muito perigoso

Paulo Tunhas

Há uma explicação para o grotesco. Costa ocupa simultaneamente dois cargos. Primeiro, é sócio-gerente da empresa Geringonça. Depois, é primeiro-ministro de Portugal. A ordem aqui não é arbitrária.

Incêndios

Uma tragédia escolhida por nós

Helena Garrido
399

António Costa é responsável por políticas que queremos e por isso a tragédia dos incêndios é também um peso para a nossa consciência. Fomos nós que escolhemos abandonar aquelas pessoas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site