Logo Observador
Venezuela

Venezuela. Mais de 150 civis presos por decisão de tribunais militares

Pelo menos 155 civis foram presos na Venezuela por ordem de tribunais militares desde o início da onda de protestos antigovernamentais, denunciou na sexta-feira a organização Fórum Penal Venezuelano.

A vaga de manifestações contra o governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, fez pelo menos 38 mortos

MIGUEL GUTIERREZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Pelo menos 155 civis foram presos na Venezuela por ordem de tribunais militares desde o início da onda de protestos antigovernamentais, em 1 de abril, denunciou na sexta-feira a organização Fórum Penal Venezuelano.

Segundo a organização não-governamental, de defesa dos direitos humanos, 260 pessoas foram julgadas por tribunais militares, um ato que viola a Constituição que prevê que apenas soldados devem ser presentes a este tipo de instância.

Do total, 155 ficaram privados de liberdade, ao serem enviados para a prisão.

“Só no [estado de] Carabobo (norte do país), 23 pessoas foram esta sexta-feira presentes a tribunais militares. O número vai aumentar”, declarou Luis Betancourt, advogado da organização não-governamental, à agência noticiosa francesa AFP.

A vaga de manifestações contra o governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, intensificou-se desde o início de abril, resvalando, por diversas vezes, em violentos confrontos, que fizeram pelo menos 38 mortos, e centenas de feridos e detidos, segundo dados oficiais.

O julgamento de civis por parte de militares é uma “prática das ditaduras”, comentou o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, um dos mais críticos no panorama internacional da situação que vive a Venezuela, a qual tem desencadeado também preocupação das Nações Unidas ou União Europeia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunismo

PCP continua a falsificar a História

José Milhazes

O PCP criou um site para celebrar os 100 anos da revolução bolchevique de 1917, mas abre-o logo com uma fotografia falsificada de Lenine. Trata-se apenas da primeira de muitas falsificações históricas

Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.