Logo Observador
Passadeira Vermelha

Eurovisão: dos longos vestidos às rachas vertiginosas

A cidade de Kiev recebeu a final do festival da Eurovisão e não faltaram vestidos compridos com rachas acentuadas para homenagear a melhor música do ano. A Grécia está entre as mais bem vestidas.

Adeus lantejoulas brilhantes, coordenados atrevidos e macacões de inspiração futurista. Os longos vestidos chegaram (acompanhados de rachas vertiginosas) e apropriaram-se da final da Eurovisão na noite de sábado, 13 de maio, para fazer frente ao estilo sóbrio de Salvador Sobral — o representante português no Festival da Canção — vestido com um fato preto feito pela mãe. Entre as mais bem vestidas da noite voltou a destacar-se a polaca Kaisa Mós, com um vestido em chiffon branco ao lado de Demy que não desiludiu a mitologia grega do seu país com o famoso vestido nude. De fazer inveja às memoráveis calças largas dos ABBA, a artista Artsvik optou por um macacão preto repleto de detalhes metálicos.

11 looks memoráveis da Eurovisão ao longo dos anos

Com privilégio, a Dinamarca entra diretamente para as melhores da noite num vestido vermelho usado pela cantora Anja. Na mesma paleta de cores, Ilinca cantou alegremente “Yodel It!” numa escolha curta, com duas rachas laterais, e não passou despercebida. A juntar à lista, o Reino Unido — representado pela música “Never Give Up On You” de Lucie Jones — tem um lugar reservado nas surpresas da noite em dourado. Em fotogaleria, fique a par dos conjuntos da final do festival europeu de música.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssilva@observador.pt
Política

Desterritorialização e extra-territorialidade

António Covas

Nesta batalha já longa entre o mercado global e a democracia doméstica, a desterritorialização e a extra-territorialidade convertem-se nos principais adversários do velho Estado-nação vestefaliano.