Papa em Fátima

Fátima acordou calma e quase vazia após a visita de Francisco

As ruas da Cova da Iria, os parques de estacionamento e o recinto do Santuário de Fátima estavam praticamente desertos ao início da manhã, na ressaca da visita papal.

PAULO NOVAIS/EPA

As ruas da Cova da Iria, os parques de estacionamento e o recinto do Santuário de Fátima estavam praticamente desertos ao início da manhã deste domingo, na ressaca da visita papal.

Fátima acordou este domingo calma, após a visita de Francisco na sexta-feira e sábado ao santuário, em que Francisco e Jacinta foram canonizados pelo líder da Igreja Católica.

Pela manhã, na Cova da Iria, ouvia-se apenas o chilrear dos pássaros, as rodas das malas de turistas e de peregrinos que se despediam de Fátima e o barulho do motor de alguns autocarros estrangeiros e portugueses que estacionavam junto a hotéis.

O recinto do santuário estava praticamente deserto, com algumas dezenas de pessoas a aproveitarem para tirar ‘selfies’ junto à estátua de João Paulo II ou ao terço gigante da artista Joana Vasconcelos.

Algum lixo no chão, baias de segurança, fitas que ainda não foram removidas e uma ou outra tenda montadas junto à Basílica da Santíssima Trindade eram os resquícios deste domingo de manhã das celebrações do centenário das “aparições”.

Pela cidade, ainda se viam militares da GNR, polícia e bombeiros, vários funcionários a recolher lixo e a limpar as ruas e os ‘transfers’ para as bolsas de estacionamento ainda estavam a funcionar.

No entanto, o grande parque de estacionamento junto ao Centro Pastoral Paulo VI – quase vazio – denunciava a debandada que ocorreu após o regresso do papa Francisco a Roma, na tarde de sábado.

Para trás ficou uma cerimónia que terá levado 500 mil pessoas ao Santuário de Fátima no sábado, segundo o porta-voz do Vaticano, Greg Burke, citado pela agência EFE.

Na Cova da Iria, o papa, perante uma multidão que o recebeu e se despediu dele com aplausos e gritos, pediu uma Igreja “pobre de meios e rica no amor” e deixou uma mensagem de paz, apelando à “concórdia entre todos os povos”.

Francisco foi o quarto papa a visitar Portugal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos
904

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site