Logo Observador
Curiosidades Auto

Hamilton contra José Mourinho. Quem ganha mais?

A luta entre os desportistas mais bem pagos no Reino Unido colocou frente-a-frente, com o nosso Mourinho, a fina flor do desporto. Entre José, Hamilton, Ibrahimovic e muitos outros, quem ganha mais?

Com a regularidade de um relógio suíço, o britânico Sunday Times publica anualmente o vencimento – declarado, é claro – das principais personalidades ligadas ao desporto no Reino Unido. E, com a regularidade do mesmo relógio suíço, é o piloto da Mercedes na F1 Lewis Hamilton o mais bem remunerado, pela quarta vez consecutiva, e de forma folgada, uma vez que o reputado piloto de Fórmula 1 usufrui de um avanço de 21 milhões de libras face ao segundo classificado deste ranking milionário, que pode acompanhar ao pormenor na fotogaleria.

Todas as disciplinas estão representadas na lista do periódico britânico, sendo curioso verificar que a F1 é quem paga mais, pois não só lidera com Hamilton, como um dos seus pilotos em 2016 ocupou a 4ª posição. Mas o maior número de desportistas chega ao ranking via o desporto rei, ou seja, o futebol. E, entre eles, é a Zlatan que pagam mais.

Mas se há cinco representantes do futebol, três jogadores e dois treinadores, não deixa de ser interessante verificar quem é o mais bem pago em cada uma das duas disciplinas. E saber até que ponto os treinadores, com destaque para o português José Mourinho, são mais bem pagos do que a maioria dos jogadores.

E, já que estamos a falar de modalidades, será que o golfe paga melhor do que o futebol, na terra em que se bateram as primeiras bolas? E quais serão as outras duas modalidades que, à semelhança da F1, futebol e do golfe, conseguem colocar um dos praticantes neste top 10 salarial, que foi dominado em 2016 por Lewis Hamilton com 131 milhões de libras, ou seja, 155 milhões de euros?

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt