Lisboa

Dispositivo de combate a incêndios para Lisboa é idêntico ao de 2016

O Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais deste ano para o distrito de Lisboa é idêntico ao de 2016 e abrange 586 operacionais, 133 veículos e 141 equipas, anunciou a Proteção Civil.

Os dados foram revelados na apresentação do Plano Operacional do Distrito de Lisboa

PEDRO NUNES/LUSA

O Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF) deste ano para o distrito de Lisboa é idêntico ao de 2016 e abrange 586 operacionais, 133 veículos e 141 equipas, anunciou a Proteção Civil esta segunda-feira.

Os dados foram revelados na tarde desta segunda-feira pelo comandante operacional distrital de Lisboa da Proteção Civil, André Fernandes, durante a apresentação do Plano Operacional do Distrito de Lisboa, no âmbito do DECIF 2017, que decorreu no Fórum Lisboa.

O DECIF terrestre para o distrito de Lisboa deste ano é igual ao do ano passado e é constituído por operacionais e por meios dos 56 corpos de bombeiros da região, sendo que o Regimento Sapadores Bombeiros de Lisboa será chamado a intervir sempre que necessário. A apresentação contou com a presença do secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, do presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil e de comandantes de vários corpos de bombeiros do distrito de Lisboa.

A época oficial de incêndios florestais começou esta segunda-feira, depois de um inverno e de uma primavera com cerca de seis mil fogos e uma área ardida superior a 11 mil hectares. A época de incêndios começa com a fase Bravo, a segunda mais crítica, e vai mobilizar, até 30 de junho, 1.561 equipas compostas por 6.607 operacionais e 1.514 viaturas, segundo o DECIF de 2017.

A época de incêndios termina a 15 de outubro e os meios de combate estarão na sua capacidade máxima entre 01 de julho e 30 de setembro, a chamada “fase Charlie”. Para esta fase, considerada a mais crítica, vão estar envolvidos 9.740 operacionais e 2.065 viaturas, apoiados por 48 meios aéreos e 236 postos de vigia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Pelos caminhos de Portugal

Paulo Tunhas

António Costa acha que “este ano foi particularmente saboroso para Portugal”. Houve, é verdade, os mortos dos fogos, houve Tancos, houve o caso da Raríssimas. Mas que importa isso?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site