Logo Observador
Papa em Fátima

Governo destaca serenidade na operação de segurança em Fátima

As autoridades fiscalizaram 146.893 pessoas, no âmbito da visita do papa a Portugal, tendo a secretária-geral de Segurança Interna destacado o "clima de serenidade" da operação de segurança.

Foram realizadas 234.827 fiscalizações, das quais 146.893 a pessoas, 87.833 a viaturas, 81 a embarcações e a vinte comboios.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As autoridades fiscalizaram 146.893 pessoas e fizeram 63 detenções, no âmbito da visita do papa Francisco a Portugal, tendo a secretária-geral de Segurança Interna destacado o “clima de serenidade” da operação de segurança.

O balanço da Operação Fátima 2017 foi esta segunda feira feito pela Secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda, que realçou a “forma tranquila e serena como decorreu a operação” e os “baixos níveis de criminalidade e sinistralidade”.

No âmbito da reposição do controlo nas fronteiras terreste, marítima e aérea, as autoridades controlaram 263.531 pessoas, tendo recusado a entrada em Portugal a 126.

Foram realizadas 234.827 fiscalizações, das quais 146.893 a pessoas, 87.833 a viaturas, 81 a embarcações e a vinte comboios.

Entre quarta-feira e sábado, período em que decorreu a operação, foram detidas 63 pessoas, destacando-se 34 por posse de arma proibida, três por suspeitas de branqueamento, duas por posse de droga, uma por burla e duas por falsificação de notação técnica.

Foram ainda apreendidas oito viaturas, 46 armas, 40 munições, 36,35 quilogramas de haxixe e 708 euros.

Ao nível da proteção e socorro as diversas autoridades assistiram 1.671 peregrinos, foram acionadas 192 emergências pré-hospitalares e 42 pessoas foram transportadas para hospitais.

Durante a operação foram registados cinco acidentes rodoviários, apenas com danos materiais. Estes dados levaram Helena Fazenda a considerar a operação um êxito, destacando que “toda a operação decorreu como planeado, realçando a “absoluta serenidade e segurança de todos os participantes e peregrinos”.

“Destaca-se a ordem e tranquilidade pública. Não se registaram incidentes de relevo, sublinhando-se os baixos níveis de criminalidade e de sinistralidade”, disse Helena Fazenda, reforçando a excelente capacidade e profissionalismo no exercício das suas competências das forças de segurança e socorro.

“A excelência da capacidade e profissionalismo no exercício das suas competências, conjugada com o elevado capital de experiência e de conhecimento acumulados por parte das nossas forças e serviços de segurança contribuíram decididamente para o sucesso de toda a operação”, acrescentou.

O papa Francisco esteve em Fátima na sexta-feira e no sábado, durante perto de 24 horas, para presidir às cerimónias do centenário das “aparições” e à canonização de Jacinta e Francisco Marto, duas das crianças que em 1917 afirmaram ter visto Nossa Senhora na Cova de Iria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos
904

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

Papa em Fátima

«Temos Mãe!»

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
700

É natural que os pais se alegrem com os êxitos dos seus filhos, mas não é comum que assumam as suas culpas quando sofrem a tristeza de um filho os ferir com a indignidade de um comportamento criminoso

Felicidade

Portugal

Paulo Tunhas

Acaso Fátima, o Benfica e o “Amar pelos dois” nos vão mudar, para melhor ou para pior, colectivamente, a vida? É claro que não. E pretender o contrário é pura e simplesmente falso.

Igreja Católica

O diabo existe… graças a Deus!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
104

As nossas representações do diabo são ‘figuras simbólicas’, mas não o próprio demónio, cuja realidade e actuação são verdades de fé reveladas na Bíblia.

Fogo de Pedrógão Grande

Morrer entre brutos é triste

Alberto Gonçalves
2.101

Portugal não cede à baixa política, leia-se permite a impunidade geral. Portugal, repete-se, é uma nação muito forte, leia-se um recreio de oportunistas, desnorteados ao primeiro assomo da realidade.