Logo Observador
Timor-Leste

Ramos-Horta: Timor-Leste deve trabalhar com CPLP para maior implementação do português

Timor-Leste deve trabalhar com a CPLP para avançar na implementação do português, incluindo procurar replicar no país o modelo da escola portuguesa de Díli, disse esta segunda feira José Ramos-Horta.

O ex-Presidente timorense falava no 3.º Congresso Nacional da Educação, que vai decorrer até quarta-feira para definir um consenso nacional sobre o setor educativo.

DEAN LEWINS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Timor-Leste deve trabalhar com os parceiros internacionais, especialmente a CPLP, para avançar na implementação do português, incluindo procurar replicar no país o modelo da escola portuguesa de Díli, disse esta segunda feira José Ramos-Horta. “É necessário que o Estado timorense, trabalhe com a CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa] para avançar na implementação do português. Obviamente sem descurar o tétum, que precisa de muito mais trabalho”, disse em Díli o ex-Presidente da República.

Numa intervenção no 3.º Congresso Nacional da Educação, Ramos-Horta lembrou a relação íntima entre o tétum e o português, “em que cada nove em cada dez palavras ditas do tétum são em português”. Um sinal claro que “revela a influência do português no desenvolvimento e formação da língua tétum”.

O ex-Presidente timorense falava no 3.º Congresso Nacional da Educação, que vai decorrer até quarta-feira para definir um consenso nacional sobre o setor educativo. “O setor da educação sempre é dos setores mais problemáticos quer em países em desenvolvimento mas também em países consolidados. Compreendo perfeitamente os desafios da educação”, disse.

“Mas o desenvolvimento do país é impossível sem uma política clara de língua, da língua em que se ensina. Uma política assente na realidade histórica e estratégica”, defendeu Ramos-Horta.

O Prémio Nobel da Paz recordou que desde o início da luta pela independência de Timor-Leste, ainda antes da invasão, a liderança timorense apostou na defesa do português como elemento identitário. “Não é uma decisão por saudosismo, mas por uma questão de segurança, uma questão complexa de como defender essa identidade que defendemos ao longo de 24 anos. Passa a guerra e a ocupação, temos que consolidar essa liberdade nacional, desenvolver essa identidade, consolidar a paz”, sustentou.

Esta segunda feira, Timor-Leste deve procurar replicar em todo o país o modelo da escola portuguesa Ruy Cinatti, em Díli, uma “escola de qualidade excecional, tão boa quanto as que há em Portugal e que cumpre todas as exigências de qualquer instituição de ensino da União Europeia”, disse.

Ramos-Horta lembrou que o país continua a batalhar “para melhorar a qualidade de ensino e para melhorar a qualidade da formação dos professores”, efeitos de ter partido de uma situação dramática depois da ocupação indonésia. “Temos que reconhecer o que o país fez. A partir do nada. Não apenas no plano de falta de infraestruturas, mas herdando uma sociedade desenraizada, refugiados, deslocados. Praticamente não havia uma família não traumatizada e tínhamos zero de economia”, afirmou.

No mesmo encontro, Mari Alkatiri, ex-primeiro-ministro e atual presidente da Região Administrativa Especial de Oe-cusse Ambeno, defendeu “a ousadia de desafiar velhos paradigmas” e procurar que Timor-Leste e os timorenses protejam “a sua diferença forjada durante quase cinco séculos”.

A política educativa tem que ajudar os timorenses a “compreender a história e o seu papel na própria história”, permitindo afirmar a sua diferença “como instrumento indispensável para combater tendências de hegemonia na região e no mundo”, disse. Português e tétum, em interação, ajudaram a “formar uma identidade única na região e no mundo” e foram e são hoje “um elemento eficaz de reforço da identidade e defesa da soberania” afirmou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt