Logo Observador
Turismo

Atividade turística cresceu 10% em março face a fevereiro

A secretária de Estado do Turismo adiantou que a atividade turística cresceu 10% em março face a fevereiro e sublinhou o "crescimento assinalável" dos proveitos hoteleiros.

O INE dá conta ainda de que no primeiro trimestre de 2017 verificaram-se subidas de 6,7% nos hóspedes e 5,6% nas dormidas, respetivamente.

MARIO CRUZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A secretária de Estado do Turismo afirmou esta terça feira que, “mesmo com efeito Páscoa”, a atividade turística cresceu 10% em março face a fevereiro e sublinhou o “crescimento assinalável” dos proveitos hoteleiros e uma manutenção no número de hóspedes.

“Apesar da Páscoa ter sido este ano em abril e não em março como em 2016, houve, ainda assim, uma manutenção no número de hóspedes e, mais positivo, um crescimento muito assinalável dos proveitos hoteleiros, o que significa que Portugal está a conseguir crescer em valor”, frisa Ana Mendes Godinho, citada num comunicado do seu gabinete.

Ana Mendes Godinho sublinhou que, “mesmo com efeito Páscoa”, a atividade turística cresceu 10% em março, e que houve crescimentos dos três indicadores – número de hóspedes, dormidas e proveitos – face ao mês anterior. A secretária de Estado do Turismo destaca ainda “a diversificação dos mercados emissores, com crescimentos expressivos de 87,3% no mercado brasileiro, 43,9% no mercado polaco e 30,4% no mercado norte-americano”.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou esta terça feira o crescimento da atividade turística em Portugal abrandou em março, em termos homólogos, com o número de hóspedes a aumentar 0,9% para 1,4 milhões, mas as dormidas a recuarem 0,2% para 3,7 milhões. O gabinete de estatísticas justificou as evoluções com o “impacto significativo” do “efeito de Páscoa” e lembrou que em fevereiro as variações tinham sido de 8,6% e de 8,2%, respetivamente, em termos homólogos.

Já depois da divulgação da informação pelo INE, numa nota do seu gabinete, Ana Mendes Godinho afirmou: “A atividade turística nacional registou em março 1,4 milhões de hóspedes, 3,7 milhões de dormidas e 188,9 milhões de euros de proveitos, apresentando crescimentos nos três indicadores face ao mês anterior. Devido ao efeito Páscoa, que em 2016 foi em março e este ano em abril, os resultados face ao período homólogo registaram abrandamento”.

O mesmo documento refere ainda que a Páscoa teve efeito essencialmente nas dormidas de residentes (961,2 mil, com uma queda de 9,9%) e nas dormidas do mercado espanhol, que registaram um decréscimo de 43,7%. Apesar do ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia), o mercado do Reino Unido “continua com um comportamento positivo e crescimento de 5,7% no mês e no trimestre face aos períodos homólogos, representando 20,7% do mercado de não residentes”, constata.

A secretária de Estado destaca ainda França, que em março teve um incremento de 23,2% e um crescimento acumulado no primeiro trimestre de 18,3%, representando 7,8% do total de dormidas de não residentes. Segundo o comunicado, em março, o crescimento da atividade turística sentiu-se sobretudo nos Açores (mais 10,8%), na Área Metropolitana de Lisboa (mais 6,3%) e na Madeira (mais 3,1%), tendência verificada igualmente nos resultados acumulados do primeiro trimestre em que a Área Metropolitana de Lisboa teve mais 12,8%, os Açores mais 10,5% e a Madeira mais 4,5%.

O INE dá conta ainda de que no primeiro trimestre de 2017 verificaram-se subidas de 6,7% nos hóspedes e 5,6% nas dormidas, respetivamente. O aumento dos proveitos totais abrandou para 9,9% (14,5% no mês precedente), tendo atingido 188,9 milhões de euros, e os proveitos de aposento subiram 8,6% para 130,1 milhões de euros (16% em fevereiro).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
442

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.

Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus
107

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.