Logo Observador
Pinto da Costa

Casa de Pinto da Costa foi vandalizada: “Chegou a hora de sair, pede a demissão”

Entre pedidos de demissão na casa de Santo Tirso do presidente portista, uma interrogação: "No dia em que abandonar o poder quem voltar os seus bolsos do avesso só encontrará pó?"

MIGUEL RIOPA/AFP/Getty Images

Ao quarto ano consecutivo sem títulos — a maior “seca” desde que Pinto da Costa chegou à presidência do FC Porto, a 17 de agosto de 1982 –, a contestação é cada vez maior e chegou, desta feita, às paredes do condomínio onde o Pinto da Costa vive, em Santo Tirso.

Durante a noite, as paredes foram vandalizadas, sendo nelas escrito, a spray, frases de ordem em que, entre críticas ao rumo (não só quanto à falta de resultados, mas também às finanças do clube) portista, se exige a demissão do presidente do clube. “Chegou a hora de sair, pede a demissão” ou “ninguém calará a nossa expressão” são duas das inscrições no muro exterior do condomínio, surgindo igualmente neles uma interrogação: “Presidente, no dia em que abandonar o poder quem voltar os seus bolsos do avesso só encontrará pó? Acorda”.

Os autores não foram identificados de polícia e, entretanto, durante a tarde as paredes voltariam a ser pintadas de branco.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Fogo de Pedrógão Grande

Assim, nada vai mudar

Alexandre Homem Cristo

A quem se entrega um dossier que se pretende inconclusivo? Ao parlamento, claro – um cemitério de reformas políticas e um palco de desentendimentos que nunca desilude nos espectáculos mediáticos.

Ocidente

A tradição ocidental da liberdade sob a lei

João Carlos Espada

A velha ideia de Universidade é uma das ideias centrais da Tradição Ocidental da Liberdade sob a Lei. Ambas serão celebradas entre hoje e quarta feira no Estoril Political Forum.

Fogo de Pedrógão Grande

Tudo é nada. E o nada é medo

Helena Matos

O imprevisível tornou-se no terror do Governo. Porque é o imprevisível que expõe o logro desse Estado cheio de “meninas César" que gasta metade da riqueza nacional e desaparece quando gritamos Socorro