Logo Observador
São Tomé e Príncipe

FAO financia estratégia sanitária no setor das pescas em São Tomé e Príncipe

O Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura anunciou que está a financiar uma estratégia para eliminar as barreiras que travam o comércio do pescado são-tomense com a União Europeia.

João Pessoa garante que o estudo revela que o pescado são-tomense "não tem sido tratado da melhor maneira para a segurança sanitária dos consumidores".

Ana Freitas/LUSA

O Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) anunciou esta terça feira que está a financiar uma estratégia para eliminar as barreiras que travam o comércio do pescado são-tomense com a União Europeia.

O projeto, financiado em 400 mil dólares (361 mil euros) “responde às prioridades no setor das pescas inscrito no Plano Nacional de Investimento no setor agrícola, alimentar e nutricional de São Tomé e Príncipe, adotado para o período 2016 -2020”, explicou Lionel Kadijh representante do FAO durante um seminário organizado pela direção das Pescas são-tomense.

O governo são-tomense solicitou em 2014 à FAO que ajudasse a identificar os problemas sanitários no setor das pescas, tendo, nesse âmbito, sido contratada uma consultora internacional que elaborou um “diagnóstico” sobre a situação sanitária nesse domínio.

O documento foi submetido, esta terça feira, para discussão e recomenda a elaboração de uma estratégia sobre segurança sanitária dos alimentos provenientes da pesca. “Estamos a falar de uma verdadeira estratégia sanitária de segurança alimentar dos produtos produzidos localmente ou importados, no quadro de um programa de aproximação integrada e articulada com o setor da produção animal e vegetal”, disse Lionel Kadijh.

“O desenvolvimento de uma tal estratégia é importante tanto para o consumidor nacional como para a proteção dos recursos haliêuticos, da fauna e da flora, via para o desenvolvimento do turismo local, setor tido como o principal polo desenvolvimento económico do país”, acrescentou.

O governo do arquipélago considera que a maneira como se conserva, se vende e se comercializam os produtos da pesca em São Tomé e Príncipe “desencoraja os consumidores”, particularmente cidadãos estrangeiros. “Esse projeto tem a ver com a comercialização do pescado no nosso mercado que todos sabemos que não é da melhor forma”, disse o diretor das Pescas, João Pessoa, sublinhando a “urgência” do executivo são-tomense em “melhorar todos os aspetos que têm a ver com a captura, manuseamento e comercialização do pescado”.

João Pessoa garante que o estudo revela que o pescado são-tomense “não tem sido tratado da melhor maneira para a segurança sanitária dos consumidores”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

O respeitinho é muito bonito, mas pouco eficaz

Alberto Gonçalves
233

É injusto generalizar? Com certeza. Mas a aversão a generalizações, ou o respeito trémulo pelo islão, não tem corrido bem. Quando o resultado da reverência é este, talvez valha a pena tentar a afronta

Venezuela

O drama da comunidade portuguesa na Venezuela

Daniel Bastos

A falta de segurança e o caminho que a Venezuela parece seguir rumo ao abismo estão a levar muitos emigrantes a regressarem para Portugal, sendo já notório que há cada vez mais a voltarem à Madeira.

Venezuela

O drama da comunidade portuguesa na Venezuela

Daniel Bastos

A falta de segurança e o caminho que a Venezuela parece seguir rumo ao abismo estão a levar muitos emigrantes a regressarem para Portugal, sendo já notório que há cada vez mais a voltarem à Madeira.

Família

Guerra e Paz

Margarida Alvim

Há muitas famílias assim. Conjuntos de pessoas que vivem debaixo do mesmo tecto. Os pais sabem de todos, mas cada irmão sabe de si. A razão só pode ser uma: falta de confiança. E falta de amizade.

Catolicismo

Medjugorje: solução à vista?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Para um cristão a investigação sobre as supostas aparições de Medjugorge faz sentido, pois deve conhecer a solidez das suas convicções e estar preparado para responder a quem lhe pedir razão da espera

Terrorismo

O respeitinho é muito bonito, mas pouco eficaz

Alberto Gonçalves
233

É injusto generalizar? Com certeza. Mas a aversão a generalizações, ou o respeito trémulo pelo islão, não tem corrido bem. Quando o resultado da reverência é este, talvez valha a pena tentar a afronta