Logo Observador
Venezuela

Pelo menos dois mortos em confrontos na Venezuela

Pelo menos duas pessoas morreram na segunda-feira, em Tachira, a 150 quilómetros de Caracas, em violentos confrontos entre a polícia e manifestantes durante protestos contra o Governo de Maduro.

PASQUALE GIORGIO/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Pelo menos duas pessoas morreram na segunda-feira, no estado de Tachira, a 150 quilómetros a oeste de Caracas, em violentos confrontos entre a polícia e manifestantes durante protestos contra o Governo do Presidente Nicolas Maduro.

Os dois homens, Luis Alviarez, de 18 anos, e Diego Hernandez, de 33, morreram em dois protestos diferentes, que decorreram no estado de Tachira, a 150 quilómetros a oeste de Caracas, perto da fronteira com a Colômbia, indicou a agência noticiosa Associated Press (AP).

Vídeos realizados por testemunhas, em Tachira, mostraram as forças de segurança a lançar granadas de gás lacrimogéneo e os manifestantes a responderem com pedras e a incendiar um veículo blindado.

De acordo com a organização não-governamental (ONG) venezuelana Foro Penal, cujos advogados prestam assistência legal aos detidos, as autoridades detiveram mais de 35 pessoas na segunda-feira.

Milhares de pessoas concentraram-se, na segunda-feira, nas principais estradas e autoestradas do país, para um protesto de 12 horas “contra a ditadura”, o último em mês e meio de manifestações que já causaram mais de três dezenas de mortos, centenas de feridos e cerca de dois mil detidos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

O drama da comunidade portuguesa na Venezuela

Daniel Bastos

A falta de segurança e o caminho que a Venezuela parece seguir rumo ao abismo estão a levar muitos emigrantes a regressarem para Portugal, sendo já notório que há cada vez mais a voltarem à Madeira.

Governo

Dar-se ao respeito

Alexandre Homem Cristo

É arrasadora a indiferença dos partidos aos critérios éticos. Mas alguém se importa? O facto de as recentes eleições de Ricardo Rodrigues e António Gameiro mal terem sido notícia é esclarecedor.