Logo Observador
Incêndios

Incêndios. Governo garante equipamentos para todos os operacionais

Os operacionais envolvidos no combate aos incêndios florestais terão os equipamentos de proteção individual suficientes. A garantia foi dada pelo secretário de Estado da Administração Interna.

GONÇALO DELGADO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, garantiu esta segunda-feira que todos os operacionais envolvidos no combate aos incêndios florestais têm os equipamentos de proteção individual suficientes.

“Toda a gente que vai para o terreno tem um equipamento de proteção individual (EPI) em condições”, disse Jorge Gomes aos deputados da comissão parlamentar de Agricultura e Mar, onde apresentou o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF) para 2017.

O secretário de Estado afirmou que os equipamentos de proteção individual (fardamento) de combate a incêndios são suficientes, mas admitiu uma renovação do EPI para o próximo ano devido à necessidade de algumas corporações de bombeiros terem um segundo equipamento. “Só um equipamento é pouco”, disse.

Jorge Gomes destacou também a importância da formação dos elementos envolvidos no DECIF, tendo este ano existido um reforço. Segundo o governante, este ano receberam formação mais 3.000 operacionais do que em 2016 e mais 4.300 do que em 2015.

Aos deputados, o secretário de Estado avançou também que a forma como a formação é ministrada na Escola Nacional de Bombeiros (ENB) tem que ser repensada, sublinhando que a ENB não deve estar centralizada em Coimbra. “A formação tem que ser descentralizada. A escola tem que ir aos locais e, se necessário, dar cursos pós-laborais”, disse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Eu vivi um fogo. E vi quem são os heróis

Fernando Leal da Costa
131

Foi então que os vi. Os populares, como se lhes chama tantas vezes, montados em tratores e pick-ups equipados com depósitos e mangueiras. Chegam e, sem medo, atiram-se ao monstro que crepita fagulhas.

Governo

Estado de calamidade

Manuel Villaverde Cabral
636

Continua tudo como dantes: o país está entregue ao clientelismo governamental, dependente do crescimento externo e condenado à dívida. Esta é que é a calamidade que explica as outras calamidades.

Pedro Passos Coelho

Antirracismo: uma patologia necrófila

Gabriel Mithá Ribeiro
114

Os heróis multiplicam-se porque, como é habitual entre cobardes, o fenómeno histórico do racismo deixou de existir nas sociedades maioritariamente brancas ocidentais. É apenas um cadáver em putrefação