Logo Observador
Reino Unido

Lloyds Banking Group confirma a conclusão do processo de privatização

O banco Lloyds Banking Group confirmou esta quarta-feira que passou a ser "totalmente" propriedade privada, nove anos depois de ter sido resgatado por decisão do governo trabalhista britânico.

O Executivo de Londres vendeu a participação que ainda restava (0,25 por cento)

ANDY RAIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O banco Lloyds Banking Group confirmou esta quarta-feira que passou a ser “totalmente” propriedade privada, nove anos depois de ter sido resgatado por decisão do governo trabalhista britânico durante a crise financeira. O Executivo de Londres vendeu a participação que ainda restava (0,25 por cento) recuperando o montante despendido na altura do resgate financeiro que correspondia a 24 mil milhões de libras (23.868 mil milhões de euros).

O presidente da instituição, Norman Blackwell, referiu que a venda da participação “assinala a última etapa do resgate e do rejuvenescimento do Lloyds Banking Group”. Há nove anos, o governo passou a deter 43 por cento da participação mas nos últimos anos desenvolveu um programa de venda das ações que agora fica concluído.

O Tesouro britânico foi alienando progressivamente as ações do Lloyds que tinha em carteira a partir do final de 2014 e as vendas efetuadas terão rendido ao Reino Unido mais-valias de 900 milhões de libras, perto de 1.050 milhões de euros, de acordo com informação divulgada pelo Lloyds. O Estado britânico ainda é detentor de 70% do Royal Bank of Scotland, que também foi alvo de apoio durante a crise financeira.

“Há seis anos herdámos um banco muito fragilizado e em situação financeira muito precária. Graças ao trabalho árduo desenvolvido por todas as equipas do banco, o Lloyds é hoje um banco muito sólido, rentável, a pagar dividendos e a apoiar a economia britânica”, afirmou António Horta Osório, presidente executivo, através de uma comunicação oficial.

Notícia atualizada às 13h16 de 17 de maio de 2017, com o valor das mais-valias realizadas pelo Estado britânico e declarações de António Horta Osório

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Europa

Terrorismo e populismo: ligações perigosas

José Pinto

Para que conste, o primeiro exportador de jihadistas para a Síria é a França. Um país onde o terrorismo tem ajudado – muito – à afirmação de um populismo que tem direito a um rosto e a nome de família

Terrorismo

O terrorismo está a vencer

José Milhazes

Os políticos ocidentais continuam em insistir nas meias-medidas, muitas delas fruto de acordos e apoios duvidosos a grupos e Estados que estão na origem do terrorismo.

Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

Crónica

Um certo tempo

Miguel Tamen

O que é dizer uma coisa? Se eu contei um segredo a mim próprio não posso ser acusado de bisbilhotice ou de traição: não disse nada.