Logo Observador
Tapas

Sim, é aquela altura do ano outra vez: tapa + cerveja = 3€

764

Em receita vencedora não se mexe, insiste-se: durante duas semanas, em diversos pontos de Lisboa, Porto e Braga, 3€ voltam a dar direito a uma tapa e uma cerveja na já célebre Rota de Tapas.

Autor
  • Tiago Pais

Mais duas moedas, mais uma voltinha nesta Rota de Tapas, evento que já começa a roçar o estatuto de tradição nacional, tais as vezes que se tem repetido ao longo dos últimos quatro anos. Organizada, como é habitual, pela cervejeira espanhola Estrela Damm, a Rota volta, não só, a reunir diversos restaurantes de Lisboa, Porto e Braga, a partir de quinta-feira, 18 de maio, como faz uma incursão inédita até Faro, onde já decorre desde dia 11.

O conceito é o de sempre: até 4 de junho (ou 28 de maio, em Faro), é possível comer uma tapa e beber uma cerveja nos restaurantes selecionados por 3€. Sendo que o objetivo dos organizadores é promover a circulação pelos diferentes espaços aderentes, concentrados em áreas geográficas específicas dentro de cada cidade. Para tal, e como tem acontecido noutras edições, é fornecido um mapa onde é possível acumular carimbos. E basta um para ter direito, em Lisboa e Porto, a boleia de tuk-tuk para as diferentes zonas onde há restaurantes e bares que fazem parte do roteiro.

A tapa do BaixóPito, no Porto. (foto: © SERGIO JACQUES)

Os carimbos servem ainda outro propósito: colecionando pelo menos três e publicando uma fotografia nas redes sociais com o hashtag #rotadetapas fica-se habilitado a uma viagem a Barcelona. Basta que ela seja uma das mais votadas da galeria publicada no site oficial do evento. Ao todo há mais de 100 espaços nas quatro cidades onde comer, beber e carimbar. Na fotogaleria, em cima, estão alguns deles, representados pelas respetivas tapas.

O quê: Rota de Tapas Estrella Damm
Quando: 18 de maio a 4 junho (Lisboa, Porto e Braga); 11 a 28 de maio (Faro)
Onde: Em mais de 100 espaços distribuídos por Lisboa, Porto, Braga e Faro
Quanto: 3€ dão direito a uma cerveja e uma tapa

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
128

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.