Logo Observador
Ciclismo

Gaviria consolida estatuto de ‘rei’ do ‘sprint’ com terceira vitória

O colombiano Fernando Gaviria venceu hoje a 12.ª etapa da Volta a Itália em bicicleta, mantendo o domínio sobre os outros 'sprinters', ao conquistar a terceira vitória nesta edição.

Num dia sem alterações no 'top 10' da geral individual, o holandês Tom Dumoulin (Sunweb) continua de camisola rosa vestida e manteve as distâncias para os principais rivais.

ALESSANDRO DI MEO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O colombiano Fernando Gaviria (Quick-Step Floors) venceu hoje a 12ª etapa da Volta a Itália em bicicleta, mantendo o domínio sobre os outros ‘sprinters’, ao conquistar a terceira vitória nesta edição.

O líder da classificação por pontos, de 22 anos, cumpriu a tirada de hoje, a mais longa da 100ª edição do ‘Giro’, com 229 quilómetros, em 5.18.55 horas, o mesmo tempo do italiano Jakub Marezcko (Wilier Triestina — Selle Italia), segundo, e do irlandês Sam Bennett (Bora Hansgrohe), terceiro.

Num dia sem alterações no ‘top 10’ da geral individual, o holandês Tom Dumoulin (Sunweb) continua de camisola rosa vestida e manteve as distâncias para os principais rivais.

Gaviria, que se estreia na ‘corsa rosa’ esta temporada depois de vários títulos mundiais na pista, já tinha vencido as terceira e quinta etapas, tendo hoje voltado a bater os adversários num ‘sprint’ compacto no final da etapa mais longa.

No final da tirada, o colombiano rejeitou o epíteto de melhor ‘sprinter’, que, segundo ele, pertence ao alemão Andre Greipel (Lotto-Soudal), hoje oitavo.

“Ele é que ganhou o maior número de corridas, é um exemplo para nós, mas, neste ‘Giro’, eu sou o que está em melhor forma”, atirou o jovem ciclista.

Numa etapa em que o final compacto já se adivinhava, os italianos Mirco Maestri (Bardiani — CSF) e Marco Marcato (UAE Emirates), bem como o russo Sergey Firsanov (Gazprom RusVelo), animaram a tirada, ao fugirem no início e só serem apanhados a sete quilómetros da meta.

Por essa altura, já os ‘comboios’ das equipas dos principais velocistas estavam em marcha para os colocar na melhor posição.

Apesar do furo, o argentino Richeze conseguiu ‘lançar’ Gaviria, que aproveitou uma aceleração para deixar para trás os restantes, conquistando a sua sétima vitória profissional do ano.

Nota ainda para Omar Fraile (Dimension Data), vencedor da tirada de quarta-feira, que hoje chegou aos 49 pontos na classificação de montanha e destronou Jan Polanc (UAE Emirates) na luta pela camisola azul, que envergará na 13ª etapa.

O português Rui Costa (UAE Emirates) beneficiou da perda de tempo de Geraint Thomas (Sky) para subir uma posição na geral, na qual é 14º a 6.29 minutos de Dumoulin, depois de chegar integrado no pelotão, na 50.ª posição, a seis segundos de Gaviria.

José Gonçalves (Katusha-Alpecin) foi o melhor ciclista luso na tirada, na 32ª posição a seis segundos, o que lhe vale uma subida de dois lugares para o 44º lugar, a 38.38 minutos, enquanto o campeão português de estrada José Mendes (Bora Hansgrohe) cedeu 31 segundos na etapa (101º), mantendo o 70º lugar na geral, agora a 55.57 minutos.

Na 13ª etapa, que liga Reggio Emilia a Tortona, os ciclistas percorrem um traçado plano durante 167 quilómetros, com nova chegada para os velocistas em perspetiva.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt